Mercado Chinês de animes deve ultrapassar faturamento Japonês em 2017 Em crescimento, produtores Chineses dizem estar prontos para o mercado

Vitor Kaique
Analise do Mercado de animação Chinesa
© World of Super Sand Box / The King’s Avatar / Bloodivores

Segundo a análise da Nikkei Asian Review, o mercado de animes na China, que tem foco em Streaming, deve chegar a U$21,7 bilhões este ano, valor três vezes maior que em 2010 e maior do que o previsto para o mercado japonês.

A China vinha sendo utilizada pelos japoneses como forma de mão de obra para suas produções, mas com este constante crescimento, o inverso esta acontecendo. O país esta a cargo de mais da metade do lucro bruto em licenças de Streaming, além de empresas como a Emon e Tencent (The Kings Avatar, Ani Ni) estarem ganhando cada vez mais obras para animar, sendo obrigado a repassar os trabalhos para o Japão.

Widad Noureddine, gerente geral de operações de mídia internacional da Emon, comentou o crescimento dizendo que “Há demanda do lado Chinês. A Tencent tem um grande catálogo de webcomics que são muito populares, e eles adorariam ver estes trabalhos adaptados em animação”.

Criada em resposta a esta ascensão, a Emon foi o primeiro estúdio japonês de animação de uma produtora chinesa, “Se você quer anime, você tem que produzi-lo no Japão” diz Widad. Mas também afirma que o maior desafio ainda esta na percepção negativa de obras feitas na China, “o maior desafio é lidar com a imagem que os chineses só copiam. É verdade que a origem das obras não é japonesa, mas são animadas por japoneses, à maneira japonesa, em um estúdio japonês”.

The Wall Street Journal

Em um recente relatório ao The Wall Street Journal, um executivo da Dentsu, maior agência de publicidade do Japão e importante investidora em animes, explica que a repressão a pirataria e as leis governamentais de direitos autorais do país foram os grandes fatores que resultaram neste aumento de vendas de animação, tornando as licenças de anime mais atraentes para os compradores locais.As indústrias também se beneficiam com isto, pelo fato de que não estão sujeitas as mesmas cotas e revisões de conteúdos implementadas para filmes estrangeiros e programas de televisão.

The Wall Street Journal estima que um episódio do anime Gintama é vendido por aproximadamente U$100.000,00.

Por último,  com este crescimento Widad acredita que as coproduções chinesas podem ajudar a revitalizar o mercado, já que os japoneses continuam fazendo as mesmas histórias, utilizando de um mesmo padrão, apenas substituindo os personagens.

FONTE: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  • Se alguém assistiu Bloodivores, saiba que a G.CMay Animation & Film não é a mesma produtora de King’s Avatar, o estúdio é outro, provavelmente interligado. Mas King’s Avatar é mil vezes melhor produzido pela G.CMay Animation & Film do que Bloodivores.

  • Alexthematrix

    Eu acho bem positivo que obras de animação chinesa ganhe o seu lugar no mercado, como é citado nesse artigo, os animes japoneses na sua grande maioria são clichês sempre seguindo algum padrão, japonês tem muito medo de tentar fazer algo novo e acabar falhando.N só webtoon chinesas mas coreanas tbm existem varias com ótimas histórias que são bem diferente do que a gente esta acostumado.

  • Yukuro Kayama

    mas só tem anime chines ruim, não vi nenhum bom

    • Luiz Fernando

      assisti The King’s Avatar é muito bom!

    • Jonatas Menezes

      the king’s avatar e gin no guardian são muito bom, e tbm tem hitori no shitta e bloodivores são até interessantes

    • V.Kaique

      The King’s Avatar trouxe algo novo nesta temporada então aconselho assistir. Logicamente a China tem muita coisa para aprender, mas estão no caminho certo tentando inovar a indústria e devem fazer o Japão sair do comodismo. Só é difícil acostumar com a dublagem kkkkz

  • Leonan Martins

    Agora o mercado japonês ACORDA!
    Nada como uma concorrência forte pra mudar algumas coisas.