DOWNLOAD GRÁTIS para ANDROID aqui: http://bit.ly/2O4Wx2c

DOWNLOAD GRÁTIS para ANDROID aqui: http://bit.ly/2O4Wx2c

Review: Yami Shibai – O Teatro das Trevas do Sobrenatural Confira a antologia clássica do terror das histórias e contos japoneses...

Rafael Leal
@Rafael4ide
Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

“Aproximem-se e deslumbrem-se… Está na hora das Histórias de Terror Japonesas…”
Com essa célebre frase o narrador, que usa uma máscara dourada, uma caixa de contar histórias e só aparece ao entardecer com sua bicicleta num parque cheio de crianças, nos apresenta casos e situações assombrosas e incomuns de personagens que tiveram algum contato com o sobrenatural.

© Yami Shibai | ILCA

Se histórias comuns de terror já são assustadoras, imagine histórias japonesas.
O anime lembra a aura de Pet Shop of Horrors e Hell Girl, e mesmo tendo episódios curtinhos, as histórias são bem completas e muito interessantes.

Contextualizando

Yami Shibai (居 芝 居  ou Teatro das Trevas), é um anime de 2013, que reúne histórias curtas sobre o abissal e sobrenatural, em formato de antologia, relacionadas principalmente às superstições e lendas urbanas de origem japonesa. Tendo a primeira temporada dirigida por Tomoya Takashima, o mesmo diretor de Hataraku Onii-san!Kagewani,  e roteiros escritos por Hiromu Kumamoto, o anime foi produzido pela ILCA, mesma produtora de Monster Strike The Animation.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Cada episódio reproduz o método kamishibai de contar histórias, um método originário de templos budistas japoneses no século 12, em que se usavam rolos de pinturas e pergaminhos para transmitir o enredo de uma história visualmente, quase sempre explicitando lições de moral a uma platéia analfabeta. Inclusive este é um dos maiores diferenciais do anime, seu estilo visual e de animação singulares.

Esse é uma daqueles clássicos de terror que nos prendem pelo aspecto psicológico do terror vivido pelas personagens, pois, o anime se preza a não ficar querendo te dar sustinhos (técnica narrativa de jump scare), mas a nos envolver as situações inusitadas que os personagens passam, vez ou outra você pode se assustar, mas, na verdade é mais fácil se desesperar com o suspense e clima de tensão que a cada episódio vai ficando mais interessante e insólito.

Temporadas

O anime conta com 7 temporadas, e alguns especiais, sendo que a primeira temporada estreou na TV Tokyo em 14 de julho de 2013 e durou treze episódios até 29 de setembro de 2013; fomentando uma série de mercadorias e um jogo para celular ao mesmo tempo em que recebeu reações variadas no final de sua transmissão. Culminando no prosseguimento de outras temporadas.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Na terceira temporada, em vez do velho com a máscara dourada e seu kamishibai, somos apresentados a um menino sentado em um escorregador que canta: “Amigos daquele lado, vem para este lado … Amigos deste lado, vão para esse lado …”. Enquanto ele desenha ilustrações das criaturas nas histórias.

A partir da quarta temporada, o kamishibaiya retorna, contando as histórias para as crianças em um playground às cinco da tarde, voltando ao formato original.
A sétima temporada foi ao ar em 7 de julho deste ano.

Música

Para criar tensão em histórias de terror a ambientação sonora é muito importante, e nesse quesito o anime é nota 10, pois as trilhas tanto de introdução como dos episódios, bem como os efeitos sonoros de objetos e criaturas, são de dar calafrios. Notadamente, os toques de piano da introdução são simples e angustiantes, se você escutar a trilha principal vai reconhecê-la em qualquer outro lugar que ouvir. De certa forma harmoniosa com o estilo de animação, um pouco parado pra alguns, porém perfeito para a técnica narrativa kamishibai que a direção propôs, criando a identidade única do anime.

Episódios

Como já tinha dito anteriormente, o anime é feito em formato de antologia, então cada história pode ser assistida de forma independente, pois não guardam relação entre si. Eu separei alguns para contar sobre o enredo de algumas histórias bem estranhas que me chamaram a atenção seja pelo roteiro ou algum outro detalhe do enredo. Espero que goste e confira na íntegra os episódios.

“O Filme” – Temporada 1, episódio 11.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Três amigos do ensino médio decidem fazer uma pausa nos estudos e trabalhos para assistir a uma fita de vídeo gravada.  Quando o vídeo começa a tocar, os amigos percebem algo que está errado, e veem algo que se assemelha a um rosto humano ao lado de uma lápide. No entanto, um deles, também percebe uma figura humanoide estranha ao fundo, que seus amigos não vêem e, ao rebobinar a fita, ele descobre que a figura de alguma forma se move para o primeiro plano e começa a encará-lo diretamente. Agora completamente assustado, ele percebe mais dois rostos humanoides refletindo na tela e se vira para descobrir que seus amigos se transformaram em seres bizarros que continuam a questioná-lo sobre o que ele tinha visto.

“Gacha” – Temporada 2, episódio 7.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Um homem volta para casa uma noite após um dia ruim no trabalho, quando percebe um velho de terno acinzentado sobre uma daquelas máquina de cápsulas (“gachas”) muito comuns em lojinhas do Japão, o velho está com muitas cápsulas vazias espalhadas pelo chão. Um pouco cansado, ele segue em direção a casa. Na tarde seguinte, após outro dia difícil, o homem passa pela máquina de cápsulas novamente e decide tentar. Quando ele abre a cápsula, ele encontra uma borracha favorita que perdeu quando criança e seu cabelo começa a ficar branco e caindo. Ele se maravilha com os objetos que aparecem nas cápsulas; uma estatueta de cachorro do animal de estimação de sua infância, uma estatueta de menina de uma paixão antiga. Enquanto isso, ele envelhece cada vez mais rápido, a cada volta da manivela da máquina. Mais cabelos caem, assim como os dentes e a pele enruga. Ele é tão consumido por sua obsessão com a máquina de cápsulas que ele não percebe que é observado por outro homem de negócios passando atrás dele, que parece impressionado com tantas cápsulas vazias pelo chão. Então ele cai quando compra sua última cápsula. No dia seguinte, o empresário que o observava para na máquina e…

“Adivinha quem?” – Temporada 4, episódio 6.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Um adolescente e uma garota se sentam em um banco na estação de trem. A menina gostava do menino e um dia perguntou se eles poderiam ir ao parque de diversões. Eles se divertiram muito e, quando a noite chegou e eles esperaram o trem, a menina agradeceu ao garoto por levá-la. Ela perguntou se ele estava saindo com alguém, mas um trem a interrompe e ele não a ouve. O garoto vai tomar uma bebida, deixando a garota se sentindo estranha. É então que ela percebe uma garota de pele clara e cabelos escuros, vestida de preto, sentada em um banco na plataforma em frente a ela. Ela não consegue entender a expressão da garota pálida, mas tem certeza de que está olhando diretamente para ela. De repente, ela se levanta do banco e caminha em direção à pista. Um trem passa e a garota pálida desaparece… A adolescente está confusa e examina a área, procurando por ela. De repente, um par de mãos cobre seus olhos e a voz do garoto diz: “Adivinha quem?”. Ela finalmente reúne coragem para convidá-lo para sair, mas as mãos pressionam seu rosto, tanto que dói. Ele pergunta novamente: “Adivinha quem?”. Ela diz que sabe que é ele. Mas então uma pergunta surge em sua mente. “Quem é?”. Ela tenta se lembrar de que ele é o principal jogador de basquete da escola e que ele a levou ao parque de diversões. Mas agora parece que ele foi apagado da memória dela. Outro trem passa e ela vê, através das frestas dos dedos, no reflexo das janelas do trem, que a garota pálida é quem cobre os olhos. Nesse ponto, ela não consegue se lembrar do rosto, da voz ou do calor do garoto. É revelado que a adolescente está cobrindo seus próprios olhos, o corpo e o rosto dela se transformaram no da menina de pele clara e cabelos escuros. Ela se pergunta com uma voz que não é dela: “Quem sou eu?” e desaparece quando as pessoas passam por ela e o locutor diz para as pessoas ficarem atrás da linha amarela quando o trem está chegando.

“Caixa de Areia” – Temporada 6, episódio 9.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Num dia chuvoso, uma mulher está dirigindo para buscar sua filha Michiko na creche. Quando ela pega a filha e elas voltam para casa, a mãe pede desculpas por estar atrasada, mas Michiko diz que estava brincando na caixa de areia, o que explica por que suas mãos estão sujas. A mãe diz que ela deveria ter lavado as mãos. Michiko diz que está arrependida. Sentindo-se mal, sua mãe promete brincar na caixa de areia com ela na próxima vez. Ela pergunta o que estava fazendo na caixa de areia. Michiko diz que estava fazendo sua família. Ela diz que isso a deixou triste.
Ela diz que estava indo buscá-la, mas houve um acidente e um respingo… E ela ficou de pé e viu a mãe morrer e, eventualmente, ela mesma morreu devido a ficar na chuva por tanto tempo. De repente, para horror da mãe, Michiko se transforma em areia e desmorona. É quando a mãe de Michiko percebe algo. Ela nunca chegou à creche. Ela morreu em um acidente de carro no caminho para lá. Quando se vira para a areia, pede desculpas a Michiko, onde quer que esteja agora… No parque, um filho e uma mãe estão andando na caixa de areia quando o menino vê algo se mexer nela. Sua mãe diz que foram apenas duas pilhas de areia que alguém fez sendo dissolvido pela chuva. As pilhas de areia costumavam ter a forma de mãe e filho, e há um pneu ao lado delas.

“Árvore da Inocência” – Temporada 6, episódio 10.

Yami Shibai
© Yami Shibai | ILCA

Um par de jovens irmãos gêmeos, Satoshi e Takashi, estão na floresta, explorando. Eles discutem se devem ir para casa ou não. E decidem subir em uma árvore antes de voltar para casa. A árvore que o irmão de camisa vermelha, Takashi, escolhe é velha e muito alta. O primeiro a chegar no topo da árvore vence. O irmão de verde, Satoshi, assume a liderança e chega ao topo. Só então ele percebe o quão alto ele está… De repente, ele ouve um som e olha para baixo e encontra Takashi agarrado a um galho, com muito medo de descer e ele acha que o galho está prestes a quebrar. Satoshi sobe em sua direção apenas para parar quando ouve sua mãe o chamar. Satoshi diz que precisa alcançar seu irmão, mas sua mãe grita: “Você esqueceu o que aconteceu com Takashi?!” Ela diz que se o perder também, ela não faria ideia do que fazer consigo mesma. Satoshi fica confuso. Ele olha para onde viu Takashi, apenas para não encontrar nada. Então ele se lembra do que aconteceu há uma semana: Satoshi disse a Takashi para pegar um ninho de pássaro. Ele pergunta-se com o que estava apenas brincando. De repente, na sua frente está uma versão risonha de olhos pretos de Takashi que só ele pode ver. Satoshi se afasta do fantasma, apenas para cair do galho. Surpreendentemente, ele não morreu como seu irmão. Ele abraça a mãe e os dois voltam para casa. No entanto, quando ele se afasta com a mãe, Satoshi deixa cair um filhote de passarinho morto e diz com um sorriso malicioso: “Até mais, Satoshi”. Sozinho no topo da árvore, Satoshi implora a Takashi que devolva seu corpo enquanto seus olhos ficam pretos. Ele olha para onde viu Takashi, apenas para não encontrar nada. Então ele se lembra do que aconteceu há uma semana: Satoshi disse a Takashi para pegar um ninho de pássaro e fazer com que Takashi morresse. Ele pergunta com o que estava apenas brincando agora. De repente, na sua frente está uma versão risonhada e de olhos pretos de Takashi que só ele pode ver. Satoshi se afasta do fantasma, apenas para cair do galho. Surpreendentemente, ele não morreu como seu irmão. Ele abraça a mãe e os dois voltam para casa. No entanto, quando ele se afasta com a mãe, Satoshi deixa cair um filhote de passarinho morto e diz com um sorriso malicioso: “Até mais, Satoshi”. Sozinho no topo da árvore, Satoshi implora a Takashi que devolva seu corpo enquanto seus olhos ficam pretos.

Considerações finais

Mesmo que você não goste de terror vai achar algum episódio interessante e pode encontrar mais de uma interpretação para um final. Já tem uma 8ª temporada a caminho. O estilo da fotografia é alterado entre alguns episódios, mas a essência dos roteiros são mantidos. A temporada 6 foi a minha favorita.

A forma muito particular de atrair a atenção dos espectadores através da tensão psicológica e de inusitado, por um roteiro que chama nossa atenção pela capacidade de brincar com a realidade e o imaginário das situações que os personagens são apresentados, nos faz querer assistir mais de uma vez alguns episódios.

Eu recomendo bastante esse anime para que você apresente o gênero de terror japonês a outras pessoas que gostam de anime.

E aí já assistiu algum episódio desse anime? O que achou? Qual sua temporada favorita? Tem algum episódio que você achou que faltou apresentar?
Deixe nos comentários abaixo.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of