Animes que refletem a realidade social japonesa Isolamento tecnológico, pressão financeira, bullying e fé são fatores importantes nos animes que acabam despercebidos por muitos de nós.

Vitor Nascimento
(Podcaster)
@ifusic
©CoMix Wave Films

Olá, como está caro leitor? Espero que bem! Gregory na área e hoje pensei em trazer algo diferente. Sabemos que os animes nos proporcionam horas e horas de diversão. Há histórias de superação, de tristeza, de acasos do destino e muitas outras coisas. Porém, este entretenimento que nós consumimos, não mostra de fato detalhes mais profundos da sociedade japonesa.

Abordagem Introdutória

É evidente que focamos principalmente no enredo proposto pelo autor da obra. Mas certos detalhes passam despercebidos diante de nossos olhos. Este é um artigo mais sério, tentarei mostrar um pouco mais do lado “obscuro”, ou seja, os problemas da sociedade japonesa. Isolamento tecnológico, pressão financeira, abuso de autoridade e bullying fazem parte do dia a dia japonês. Também tentarei dar um contraponto, mostrando coisas boas vindo da esfera social/cultural japonesa. Então vamos lá!

Sabemos que o Japão é literalmente um país que funciona 24 horas por dia. A baixa taxa de natalidade, junto da tradição do jovem japonês ser ativo no mercado de trabalho, vem impulsionando um aumento cada vez maior de jovens e jovens adultos (15 – 30, considerando que a expectativa de vida é de 85 anos atualmente) a trabalharem nos mais diversos empregos.

Isso é mostrado bem em Erased(Boku Dake ga Inai Machi), Koe no Katachi, Angel Beats! e em Byousoku 5 Centimeter. Nos dois primeiros citados, vemos que a imagem que temos da sociedade japonesa é um pouco forçada pela mídia tradicional.

Lado “obscuro” despercebido

Erased mostra um pouco do que atualmente é um tabu a ser revelado no Japão, o abuso de professores sobre alunos. Existem muitos casos de abuso de poder, moral e até físico destes profissionais. Porém, poucos são divulgados ao público em geral.

©A-1 Pictures

Koe no Katachi aborda de maneira bem realista o bullying nas escolas. Foi incrível o modo de comunicar o público que isso não é somente um problema do Japão, mas sim do mundo todo. O enredo foi bem conduzido e abordou outro fator cultural importante no país. O arrependimento e a honra foram bem vinculados ao protagonista, mostrando que o amadurecimento gera bons frutos aos que querem realizar uma boa colheita.

©Kyoto Animation

Angel Beats! já nos mostra que todas as pessoas têm tristezas e dramas durante sua vida, todavia, nos leva a um questionamento: se morrermos agora, teríamos realizado nossos sonhos?

A obra também aborda o quanto a vida é breve e se nós, consequentemente, soubemos aproveitar desse tempo da melhor maneira possível. Se ajudamos o próximo, se amamos alguém ou se até mesmo salvamos alguma vida. Esse sentimento transmitido na obra faz um gancho perfeito com Byousoku 5 Centimeter.

© P.A. Works

Nessa, o protagonista sofre por amar alguém e acaba se entregando para uma espécie de “depressão”. Isolando-se completamente. Deixando de aproveitar a vida e consequentemente dar uma chance a quem o ama de verdade. De fato, perdendo parte da essência do humano que é a própria felicidade. Vivendo roboticamente uma rotina a base de trabalho.

©CoMix Wave Films

O ponto é, a sociedade japonesa é extremamente ligada ao trabalho. E essa pressão acaba prejudicando momentos, família e até mesmo sonhos. Também acaba gerando um grave problema cultural relacionado à saúde pública, o suicídio. Principalmente cometido por homens.

O outro lado da moeda

Por outro lado, Noragami e Fune wo Amu são obras para analisarmos um lado mais positivo da sociedade japonesa. A primeira obra deixa bastante claro que a população do Japão é em grande parte religiosa.

O Xintoísmo tem características diferentes das outras religiões, nós xintoístas temos a liberdade de nos aproximarmos de outras crenças que não preguem a violência e frequenta-las sem quaisquer preconceitos. Suas bases e seus princípios éticos consistem em cuidar da saúde, proteger sua família e honrar seus ancestrais. É inegável que parte da qualidade de vida do japonês esteja intimamente ligado com sua fé.

©Bones

Por fim, Fune wo Amu mostra um fato curioso vindo das longínquas terras orientais. A escrita por sua vez é diferente no Japão, porém, na obra é demonstrado a preocupação do modo de se expressar. Gestos muitas vezes não substituem palavras. Mas são extremamente importantes, visto Koe no Katachi.

Mas o povo japonês, com todo seu respeito diante dos seus semelhantes ou até de estrangeiros, preza muito pelas palavras e pela consideração de sua cultura e tradição. A obra, de fato, nos demonstra o quão é importante as palavras para o desenvolvimento das relações humanas e sociais.

©Zexcs

Espero que tenha gostado caro leitor, nos vemos numa próxima oportunidade! Jaa ne!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

5
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
1 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Leandro M.-NegativoshariêMarcos AntonioYurimon Omega Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Yurimon Omega
Visitante
Yurimon Omega

boa postagem

Marcos Antonio
Visitante
Marcos Antonio

eu gosto so de animes shonen.

shariê
Visitante
shariê

Okay…

-Negativo
Visitante
-Negativo

Aqui não é muito diferente?!

Leandro M.
Visitante
Leandro M.

Obrigado! Isso me ajudou muito! Sabe, gosto muito de animes slice of life, escolar e de romance, e é bem difícil eu não gostar de um anime desse gênero. Acho que é por que me apego mais aos personagens (suas relações, personalidades e etc) que à história, e isso me fez gostar muito do Japão e sua cultura. Penso em morar lá por um tempo para estudar, mas há seus lados negativos também. Tenho família aqui, o Japão é 12 horas adiantado, e eles valorizam muito o trabalho e há as horas extras, etc… isso irá me ajudar nas minhas… Read more »