Minha relação bizarra Isekai Meikyuu de Harem wo Venha ver o que achei desse anime polêmico

Josenilson Vinicius
(Pauteiro do UNITEDcast)
Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

“Um pânico moral é um sentimento de medo, por vezes exagerado, espalhado em um grande número de pessoas de que algum mal ameaça o bem-estar da sociedade.”Wikipedia.

Sempre é bom começar um texto com uma citação, dar um ar de profissional para um texto que tenho certeza que vocês vão achar polêmico, mas eu tenho de falar de Isekai Maikyuu de Harem wo que é um anime da temporada que foi lançado justamente para ganhar a tutela de anime polêmico, aquele anime que todo mundo vai falar dele, não por sua qualidade, mas sim por sua premissa que é alimentada por pânico moral, mas antes de tudo é necessário falar que essa é minha opinião, então ela não representa a do site, mas caso você tenha gostado do meu pensamento lhe convido a ver meu blog pessoal que é focado exclusivamente nas minhas opiniões sobre vários animes que venho acompanhado, enfim encerrando meu momento merchan já passando rapidamente para o motivo pelo qual eu assisti esse anime foi justamente porque vi uma matéria, o local vos desculpo por não lembrar onde foi, mas o conteúdo da matéria era da reclamação dos fãs da obra pelo design da Roxanne do anime ser mais “recheada” do que o mangá, sinceramente eu iria sumariamente ignorar esse fato até ver essa matéria e só por causa disso eu quis ver o anime, porém, eu deveria ter ficado apenas na instigação.

Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

Eu pensei de várias maneiras em abordar a obra, mas cheguei numa conclusão bem simplória para transpor os pontos que quero falar que é falar dos episódios, afinal de contas ainda é uma review de anime, mesmo esse sendo basicamente um hentão com orçamento de uma série ecchi, esse pensamento encaixa bastante nesta obra, já que não tivemos uma introdução tão trabalhada quanto Ishuzoku Reviewers e aqui começa minha mini-dissertação informal, pois graças a Ishuzoku que veio essa onda de animes polêmica, pois a premissa era de avaliadores de prostíbulo, todavia Ishuzoku possuía atenuantes já que todas as mulheres já estavam na maioridade, não estavam em vulnerabilidade social, consentiam com seus atos, até porque elas eram meios súcubos, a desculpa preferida para as narrativas adultas por se tratar de um demônio que vive sugando a energia vital do usuário no ato carnal, fora que a obra explica como é o controle de DSTs, fora que o anime é basicamente a premissa e acaba seguindo-a muito bem, Ishuzoku é uma obra que abriu a portas para obras que possam explorar a sexualidade em suas narrativas de maneira natural e bem pensada em suas obras sem ficar presas aos tradicionais estereótipos e/ou erros do ecchi, o problema é que ninguém percebeu isso.

Ishuzoku Reviewers
©Passione / Ishuzoku Reviewers

E aqui entra o fato de pânico moral, afinal de contas Ishuzoku Reviewers gerou esse pânico em ambas as partes do globo, pois enquanto no Ocidente surgiu um pânico moral por causa da premissa “inovadora” que poderia influenciar as pessoas visitarem baiucas ou venderem seu corpo, fora o fato ecchi que já era polêmico por essas bandas que acabou potencializando a controvérsia da obra, ocasionado o cancelamento do anime em plataformas oficiais e isso foi um duro golpe para produtora, não é atoa que a versão oficial de Isekai Maikyuu de Harem wo é censurada, o anime mostrava explicitamente o interesse sexual das partes, algo normal para obras de live-action, mas graças a estigma que desenho é para crianças gerou essa necessidade de protegê-las, para impedir que elas consumissem esse tipo de conteúdo, mesmo com a faixa etária não sendo indicada para ela. Graças a isso surgiu no Oriente o medo que esses tipos de obras sejam censuradas porque se não é tão comercial no Ocidente, não varia o esforço em publicá-las, fora o medo do politicamente correto que para lá é visto como algo ocidental, o que ocasionou que várias obras questionáveis surgissem, ganhassem popularidade e por fim uma animação, assim renovando esse círculo vicioso, o principal problema fica justamente na qualidade da obra, pois a qualidade da narrativa não se importa quando o público esta tão polarizado que busca consumir produtos que atendem suas vontades e ideologias, criando assim lixos desnecessários, principalmente com uma indústria que sofre com mão de obra, ganhem animações.

Kaifuku Jutsushi no Yarinaoshi
©TNK / Kaifuku Jutsushi no Yarinaoshi

Bem com isso posso começar a falar do primeiro episódio que serve basicamente para vender a obra, pois nele mostra tudo que essa história irá contar nos próximos episódios e ignorando o foco da polêmica, este primeiro episódio é apenas uma desculpa para iniciar a obra, explicando o pensamento desconexo do protagonista em relação a moralidade do mundo e atendendo os desejos dos fãs que querem ver uma narrativa num mundo de um hentão, sim afinal de contas o mundo da obra é pensado para permitir que o fetiche da narrativa seja consentido nesse mundo da historia e já começando a expor minha crítica, sinceramente tem muitas obras calientes que poderiam ser adaptadas e não geraria um certo murmurinho que essa obra possui, tem até uma obra que eu li a algum tempo onde a premissa era que o protagonista ajudava as heroínas com mana, sendo passada por ele no mesmo método que Fate, mas do jogo de 2004, então todos os atos são consentidos por ambas as partes, aqui não.

Passione / Ishuzoku Reviewers
©Passione / Ishuzoku Reviewers

Por fim chegamos ao prato principal, afinal de contas o fato de venda da obra são as escravas sexuais, sinceramente e falando o óbvio: escravidão é errado, principalmente para os países americanos onde a escravidão estigmatizou toda uma etnia que sofre efeitos dela até hoje, fora que uma sociedade escravagista não se desenvolve, pelo menos com o método de escravizar uma etnia especifica é só pegar a Rússia pré-revolução Bolchevista, ou o sudeste norte-americano, sem falar da terra que nós vivemos que foi o último pais a banir a escravidão, pelo menos oficialmente, então uma obra que “glamourize” essa mancha de nossa historia, sim, glamourizar já que como falei a obra trabalha a escravidão como um fetiche, com isso gera a problematização, pois o motivo é digno para essa movimentação, tal motivo é sabido pelos produtores da obra, principalmente a staff que busca desenvolver o mínimo possível da narrativa para não gerar um hate maior da obra, com isso empobrecendo ainda mais a historia, talvez o símbolo mais forte desse ponto seka que o vendedor de escravos é a amalgama desse conceito, pois ele não aparece muito, mas quando aparece já sabemos qual assunto ele irá tratar.

Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

Tirando isso o anime é apenas mais um Isekai genérico cujo seu diferencial é justamente a premissa, todavia o segundo episódio me comprou, pois foi um episódio para construir o mundo e aqui vemos como a Passione é um bom estúdio, não só para trabalhos ecchi, mas sim com trabalhos de maneira geral, pois principalmente na parte da masmorra vemos como a staff da obra, consegue entregar algo magnífico pelo menos no quesito animação de batalha, a parte sonora, o storyboard de maneira geral foi narrativamente o que exemplificou bastante a aventura do protagonista dentro dessas masmorras, mostrando os sistemas de jogo, já que é mais um Isekai cujo o mundo é baseado em um jogo, mas foi apenas isso nesse episódio, então não tenho mais nada para falar dele.

Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

O episódio três é basicamente tudo que os fãs do original queriam ver, pois foi basicamente nosso herói matando bandido apenas para alcançar seu objetivo, afinal de contas bandidos bons são bandidos mortos, literalmente já que dessa forma ele ganha dinheiro, todavia a obra não minimiza eles, pelo contrário até demonstrou que eles possuíam até mesmo uma certa identidade, o próprio herói demostrou remorço por matar um, todavia só foi isso, não tivemos uma vontade de aprofundar mais o mundo da obra justamente por não ser o objetivo da narrativa, por isso não tenho muita coisa pra falar desse episódio, porque não teve nada nele, além da caça aos criminosos.

Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

Chegamos ao último episódio já lançado e o que gerou uma cería discussão, principalmente no meu meio social, pois é claro que a Roxanne não queria fazer o ato, mas não possuía meios para evitar, pelo menos meios legais, ok, aqui terei de praticar o espirito de porco, afinal de contas: não é não, pois o roteirista nem sequer pensou de criar desculpas narrativas para atenuar esse desconforto dela, sinceramente até mesmo clichês de obras ecchis poderia ser usado para suavizar esse desconforto, poderia até mesmo criar uma historinha do passado dela, dai o herói se contextualizando desse fato, assim ganhando confiança dela e chegando nas vias de fato de maneira correta, isso ficou bem claro pelos minutos sem falas de ambos os personagens, então daria para criar inúmeros artifícios para fugir das cenas, pelo menos antes do ato, pois não há muito a si falar do ato por ser bem animado e lógico, nem tão lógico por causa da própria Roxanne.

Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo
©Passione / Isekai Meikyuu de Harem wo

Depois de tudo isso volto a reforçar que Isekai Maikyuu de Harem wo: uma obra que só ganhou anime só por causa de um pânico moral, já que não existia motivos paraa mesma ganhar uma adaptação, muito menos ganhar destaque por isso, pois existe trabalhos melhores que já ganharam adaptação antes, inclusive eu citei um deles. A narrativa é basicamente um hentão mais desenvolvido, mas nada que sustente um anime de 12 episódios com um conteúdo rico como o Ishuzoku Reviewers foi, porém graças ao pânico moral surgido com o lançamento, assim fo crianda a bizarrice de animes para maiores de idade sendo censurados para o Ocidente e obras com pouco ou quase nada de conteúdo, mas que conseguem se vender justamente por pânico moral das pessoas que se veem ameaçada, então buscam essas obras apenas para afirmar seu ponto de vista em relação ao mundo, sinceramente eu não sei porque irei continuar assistindo, talvez por curiosidade mórbida de saber como ela acaba, porém vos peço sua opinião sobre a mesma, sobre o texto, caso tenha gostado da minha opinião vos convido para ler meu blog pessoal, caso queira saber mais notícias sobre Isekai Maikyuu de Harem wo, Ishuzoku Reviewers e ou diversos convido a continuar lendo o site, talvez você acha algo gosto para ler, ouvir ou ver, caso tenha uma opinião autônima a minha, recomendo comentarem por aqui, claro sem xigar e/ou usar palavras de baixo calão, pois como pode ver eu não usei, então peço reciprocidade, bem é só isso, dia, tarde ou noite a todos que leram e até mais.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.