Komi-san wa, Komyushou desu pode ter uma adaptação para anime Finalmente depois de tanta espera ela esta chegando!

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Komi-san wa, Komyushou desu
©Komi-san wa, Komyushou desu

Um vazamento na rede social Weibo revelou que o mangá escrito e ilustrado por Tomohito Oda, Komi-san wa, Komyushou desu, terá uma adaptação para anime. Espera-se a confirmação oficial em breve e mais detalhes sobre o assunto, porém, o vazamento veio de uma conta totalmente confiável na China.

Sinopse:

Em seu primeiro dia na Academia Privada Itan, Shouko Komi imediatamente recebe atenção e popularidade avassaladoras devido à sua beleza estoica e elegância refinada, razão pela qual ela é vista como uma deusa por seus colegas.

No entanto, apenas Hitohito Tadano, um aluno comum designado para sentar ao lado dela na classe, é capaz de descobrir que, por trás do que todos acreditam, Komi na verdade tem um sério problema de comunicação com os outros. Tadano então decide ajudá-la a realizar seu sonho de fazer cem amigos.

Mais sobre:

Oda começou a publicar o mangá em maio de 2016 por meio da revista Weekly Shonen Sunday da editora Shogakukan. A editora publicou o décimo sétimo volume de compilação em 18 de maio, seguido pelo décimo oitavo em 18 de setembro.

Tanto dentro como fora do Japão, a obra alcançou imensa popularidade pela sua história calorosa e adorável protagonista, o que a tornou uma das mais desejadas mas também uma das mais temidas adaptações de animação, esta última pelo fato de, sendo um trabalho tão amado, qualquer passo em falso em uma adaptação animada irá diminuir as expectativas.

Fonte: Aqui!

 

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
ERICK SOBROZA
ERICK SOBROZA
6 meses atrás

Quase tive um infarto porque não tinha lido o “pode” na primeira vez