Pela primeira vez em dez anos, a indústria de anime não teve crescimento de lucro O COVID atrapalhou os lucros

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Anime
©Anime

O portal japonês Yahoo! News Japan publicou um artigo intitulado “O mercado de produção de animação regrede pela primeira vez em 10 anos, com uma queda de 2% em relação ao ano anterior, para 251 bilhões de ienes. A proporção de perdas monetárias nas empresas atinge um recorde de quase 40%”, Que descreveu os efeitos da pandemia de COVID-19 na indústria de anime, destacando que é a primeira vez que os lucros conjuntos da indústria não apresentam crescimento em dez anos.

“A indústria de anime em 2020 teve muito sucesso, especialmente a indústria cinematográfica. Imediatamente após sua estreia, “Violet Evergarden” da Kyoto Animation foi inundado nos cinemas por muitos fãs de anime, e “Kimetsu no Yaiba: Mugen Ressha-hen” ultrapassou 40 bilhões de ienes em receita na época na bilheteria nacional.”

“Por outro lado, o número de animações televisivas produzidas caiu pelo terceiro ano consecutivo em 2019 e problemas como atrasos na produção e adiamentos na transmissão das animações devido ao COVID-19 pressionaram o campo da produção. Além disso, a ascensão das empresas chinesas, que produziram obras muito aclamadas durante a COVID-19, voltou a trazer à tona questões da indústria de produção de animação japonesa que vinham sendo apontadas há muito tempo, como os problemas trabalhistas dos artistas e a estrutura de lucro. Embora se diga que as empresas chinesas igualam ou excedem o ambiente japonês em muitos aspectos, como equipamentos e tratamento, algumas estão começando a se preocupar com a estagnação da animação japonesa devido ao escoamento de recursos humanos e tecnologia.”

“O tamanho do mercado da indústria de produção de animação (com base nas vendas da empresa) em 2020 (ano fiscal que termina de janeiro a dezembro) é de 251,08 bilhões de ienes, 1,8% menos do que em 2019 (255,7 bilhões de ienes), quando atingiu um recorde. Desde 2011, o mercado de produção de animação expandiu-se por nove anos consecutivos até 2019, apoiado no aumento do número de produções e no aumento das receitas de licenças, como direitos de distribuição, mas em 2020 deu uma guinada e começou a encolher.”

“Para além da diminuição do número de programas televisivos de animação produzidos por todas as empresas, o calendário de produção sofreu atrasos devido à propagação do COVID-19, que se temia desde o início, e ao adiamento da estreia de vários programas devido à uma reordenação da programação. Além disso, ocorreram consolidações de negócios entre médias produtoras, bem como falências e encerramentos de empresas, o que contribuiu para a pressão geral de redução.”

“O faturamento médio por empresa de produção em 2020 foi de 831 milhões de ienes. Depois de aumentar por três anos consecutivos de 2017 a 2019, a tendência de alta parou aqui, com queda em relação ao ano anterior. Relativamente à evolução das vendas, 31,6% das empresas declararam um aumento das vendas e 48,6% uma diminuição, sendo a diminuição das vendas muito superior ao aumento das vendas. Em relação aos ganhos e perdas, 37,7% das empresas de animação declararam “perdas”, a percentagem mais elevada nos resultados de 2020, seguidas de “aumento dos lucros” (31,1%) e “diminuição dos lucros” (29,5%). Destes, as proporções de ‘declínios nos lucros’ e ‘perdas’ são as mais altas desde o início das estatísticas em 2000. ‘

“O COVID-19 fez com que muitas produtoras tivessem atrasos nos cronogramas de produção de filmes e animações com lançamento previsto para o período, o que fez com que várias empresas tivessem uma queda nas vendas em relação ao ano anterior. Além disso, o peso do investimento em mão de obra e equipamentos de última geração, bem como o aumento dos custos devido ao aumento da terceirização, continuam pressionando os lucros de muitas empresas produtoras, e o efeito combinado de menor vendas tem fato que muitas empresas registram perdas. No entanto, verificou-se uma bifurcação clara em termos de ganhos e perdas, visto que as grandes produtoras da indústria da anime com conteúdos próprios e os principais empreiteiros com força de gestão suficiente aumentaram os seus lucros, enquanto os estúdios especializados subcontratados viram como as perdas atingiram um recorde.

Fonte:Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.