Dois policiais de Los Angeles são demitidos por priorizar Pokémon GO em vez de roubo Um Snorlax custou caro aos dois

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Pokémon
©Pokémon GO

Um tribunal da Califórnia decidiu que dois policiais do Departamento de Polícia de Los Angeles que ignoraram uma chamada de assalto em andamento para que pudessem caçar um Snorlax em Pokemon GO serão demitidos.

Documentos judiciais indicam que o incidente ocorreu em abril de 2017, quando os policiais Louis Lozano e Eric Mitchell estavam em patrulha a pé. Durante a patrulha, eles receberam uma ligação de suporte para lidar com um assalto ativo com vários suspeitos em um shopping center próximo. Mas em vez de vir ajudar, eles deixaram o local. Quando questionados pelo sargento sobre a falta de resposta ao chamado, eles alegaram que não ouviram porque havia “muita música” e estava “muito alto no parque” onde estavam patrulhando.

O sargento deixou passar no início, mas logo reconsiderou: afinal era uma situação mais séria do que emular Pokémon GO em seu PC. Ele decidiu dar uma olhada no sistema de vídeo digital do carro, que registra as ações dos agentes enquanto eles estão em seus veículos, e foi aí que as coisas deram errado para os ‘Pokémon Officers‘: o vídeo revelou que eles estavam, de fato, estacionados bem perto do shopping quando a ligação foi recebida, que eles não apenas ouviram a ligação, mas discutiram se deveriam ou não atender, e depois comunicaram pelo rádio que estavam em outro lugar para justificar a não resposta ao pedido de reforços.

Nesse ponto, o assunto foi encaminhado a um detetive para investigação, e as coisas ficaram ainda piores. O detetive determinou que, após vários minutos ignorando as ligações, os agentes responderam a um incidente realmente de alta prioridade: o aparecimento de um Snorlax em Pokemon GO. Eles então passaram cerca de 20 minutos dirigindo por Los Angeles, falando sobre Pokémon e perseguindo o Snorlax, durante o qual um Togetic também apareceu, e depois de pegar o Snorlax, eles concordaram em pegar o Togetic também.

Em entrevistas de acompanhamento, os dois policiais alegaram que não estavam realmente jogando o jogo, mas apenas falando sobre isso. O detetive que investigava o caso determinou que ‘eles não estavam sendo sinceros‘. Após a investigação, Lozano e Mitchell se declararam culpados por não responderem ao pedido de reforço, mas negaram jogar Pokémon GO enquanto estavam de serviço e ter mentido para encobri-lo. Eles admitiram que deixaram sua zona de patrulha designada para perseguir Snorlax, mas disseram que era parte de uma ‘patrulha extra‘, e não um jogo, mas um ‘evento de mídia social‘.

Seus protestos foram inúteis: ambos os oficiais foram considerados culpados de várias infrações e demitidos de seus cargos. No entanto, eles apelaram da indeferimento, argumentando que as provas em vídeo coletadas em seu carro-patrulha não eram admissíveis e que seus direitos haviam sido violados quando seu sargento inicialmente perguntou sobre o incidente sem seus advogados. O tribunal rejeitou essas alegações, levando ao recurso atual, que agora também foi negado. Os detalhes são extensos, mas a versão resumida é que o tribunal decidiu que a gravação do vídeo no carro era admissível e usada corretamente no caso, e que sua conversa com o sargento não constituiu uma violação de seus direitos. Portanto, sua demissão foi confirmada.

Fonte:Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.