Japoneses pedem que se diferencie corretamente ecchi do abuso sexual O alvo no momento é a editora Shueisha

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
japoneses
© Uzaki-chan wa asobitai

Uma petição feita por um usuário japonês no Change.org intitulada “Men are not Wolves” foi aberta recentemente, pedindo à editora Shueisha e ao departamento editorial das revistas Shonen Jump que não classificassem o “abuso e / ou assédio sexual ” na categoria de ecchi, pois minimiza esse tipo de ato.

Embora isso pudesse ser classificado como uma petição da categoria “SJW (Social Justice Warriors)”, na realidade, no idioma japonês, o assédio sexual (em todos os níveis) sempre foi qualificado como “ecchi”. As palavras “エ ッ チ (Ecchi)” e “エ ロ (Ero)” são definidas de forma muito vaga, mesmo entre os próprios japoneses. Qualquer personagem espancando uma garota é considerado ecchi, mas ainda é uma forma de bullying, não importa quão inocente ou infantil seja a intenção descrita.

Os usuários da rede concordam que será interessante ver como essa solicitação pode afetar o que será considerado “ecchi” no futuro. Algumas revistas Shueisha trazem “Shounen (Jovem)” no título, porém a audiência média é muito maior, o que mostra que as obras eróticas funcionam. Tudo o que eles precisam fazer, de acordo com os usuários, é avaliá-lo corretamente.

Ele continua: “Se a Shueisha for capaz de categorizar e separar corretamente as obras eróticas do R-15, provavelmente será ainda melhor para essas obras, evitando controvérsias desnecessárias. A forma como o mangá é distribuído digitalmente hoje em dia torna as obras para pessoas mais velhas facilmente misturadas com aquelas destinadas a crianças ou adolescentes menores de 15 anos.”

No Japão, existem todos os tipos de assédio sexual. Muitos japoneses minimizam uma surra ou dedilhado como “ecchi inofensivo”, algo que foi demonstrado pelos recentes acontecimentos do escritor Act-Age, que foi preso por agredir sexualmente duas meninas menores de idade. A frase “Eu não sou tão ruim, não é como se eu tivesse estuprado alguém ou tocado uma menor.”, de acordo com os usuários, mostra o quão deteriorada está a definição de assédio no Japão.

Finalmente, a petição destaca alguns pontos interessantes, observando que ela não visa boicotar a editora, mas simplesmente deve categorizar corretamente seu conteúdo. “Se vendemos sexo, devemos pelo menos rotular como tal e adicionar um aviso de conteúdo. Simplesmente chamá-lo de “Ecchi” não é suficiente.

Por fim, a petição foi encerrada com 4.190 assinaturas coletadas em um período de nove dias, e será enviada à editora em breve.

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

1
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Rodrigo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rodrigo
Visitante
Rodrigo

E essa petição não vai dar em nada e com certeza essas pessoas que pedem isso nem devem consumir mangás ou algo dessa indústria…

trackback

[…] Fonte: Aqui! Fonte […]