Na China garantem que os videogames levam ao casamento e o anime à solidão Governo e dinheiro não tem nada a ver com isso não né?

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Re:Zero
©Re:Zero

O portal SupChina publicou um artigo descrevendo uma investigação de uma professora de sociologia sobre a constante diminuição anual de nascimentos na China, e onde ela propunha uma relação entre hobbies e o motivo pelo qual os jovens perdem o interesse em constituir família. De acordo com seu estudo, ‘aqueles que jogam videogames competitivos tendem a escolher o casamento, enquanto aqueles que assistem anime tendem a ficar sozinhos‘.

“A China está envelhecendo, não há bebês suficientes para garantir o crescimento econômico contínuo, os jovens não querem começar famílias ou ter mais de um bebê porque é muito caro, e a maioria deles cresceu como filhos únicos devido às políticas governamentais. Diante dessa crise demográfica, Pequim deixou claro que quer que os casais tenham mais filhos. Mas o que está fazendo não está funcionando. Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística mostram que a taxa de natalidade do país despencou pelo quinto ano consecutivo para atingir um novo recorde de baixa em 2021, e pesquisas revelam regularmente que um número crescente de jovens, especialmente mulheres urbanas e profissionais, descartam o casamento.”

“Por que Pequim não consegue convencer as pessoas a terem mais bebês? Lǐ Tíng 李婷, professor de sociologia da Universidade Renmin da China, que dirige o Centro de Pesquisa de Gênero e Família da escola, tem algumas teorias. Em um novo estudo (em chinês) publicado este mês, Li sugere que o uso de certos sites de mídia social chineses, como Weibo e Douban, afeta negativamente a maneira como estudantes universitárias pensam sobre casamento e filhos. Sua proposta, no entanto, foi mal recebida pelos internautas, que criticaram o estudo por usar as mídias sociais como bode expiatório, ao mesmo tempo em que encobria o quadro geral de como o governo vem falhando com as mulheres chinesas em várias frentes, tornando-as cada vez mais antagônicas à defesa de Pequim. impulso natalista.”

“O estudo, intitulado ‘Relatório sobre as Opiniões dos Estudantes Universitários sobre Casamento e Procriação’, foi discutido em um seminário acadêmico realizado em 14 de abril em Pequim, no qual acadêmicos de várias instituições compartilharam suas pesquisas sobre como estudantes universitários lidam com namoro e vida familiar ‘ na era da internet’. Para sua pesquisa, Li pesquisou cerca de 10.000 estudantes de mais de 30 universidades em todo o país. No geral, Li descobriu que o nível de disposição para se casar era maior do que ele esperava. Mais de 61% dos entrevistados expressaram “um desejo explícito de encontrar um cônjuge”, enquanto apenas 7% deles foram totalmente contra a ideia. Quando perguntados por que eles queriam ser solteiros e sem filhos, os estudantes do sexo masculino citaram a insegurança financeira, enquanto suas contrapartes do sexo feminino citaram priorizar objetivos de carreira como o principal motivo.”

“Um dos aspectos do estudo de Li é como o comportamento dos participantes na Internet afeta suas atitudes em relação ao casamento e aos filhos, e foi aí que surgiu a controvérsia. Depois de analisar todas as respostas da pesquisa, Li escreveu que o uso intenso da Internet entre os estudantes universitários parecia diminuir seu desejo de se casar e ter filhos. Li diz que diferentes sites de redes sociais têm efeitos diferentes. O uso regular do Weibo, que é mais ou menos o equivalente chinês do Twitter, leva a visões mais negativas do casamento e da formação da família. Douban, uma rede social semelhante ao Reddit que começou como um fórum para discutir literatura, música e filmes, teve um efeito semelhante. Em contraste, aqueles que passavam muito tempo na Xiaohongshu, uma plataforma de comércio eletrônico de moda e estilo de vida cujo nome significa ‘pequeno livro vermelho’, tendiam a ver casamento e filhos de forma favorável.”

“Li também tem teorias sobre o envolvimento dos usuários com ‘subculturas’. Ele diz que aqueles que gostavam de videogames competitivos, também conhecidos como eSports, eram mais propensos a ver o casamento de forma positiva, enquanto aqueles que assistiam anime ou liam muitos romances na web tendiam a pensar o oposto sobre o casamento. Li não tira conclusões controversas de seus resultados, nem propõe políticas que restrinjam o tempo de tela dos estudantes universitários. Mas as notícias de sua investigação provocaram fortes reações no Weibo. Os críticos dizem que é injusto colocar as mídias sociais e hobbies inofensivos sob uma luz negativa em um estudo que investiga as baixas taxas de natalidade da China, ignorando os fatores reais que afetam diretamente as decisões das mulheres jovens sobre o casamento e a paternidade’.”

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.