Entrevista com Takehiko Inoue – criador de Slam Dunk e Vagabond Um papo cabeça com o artista Takehiko Inoue, mais conhecido como o criador de Slam Dunk e Vagabond.

takehiko-inoue-itw Durante sua visita à França, para uma feira de livros onde promovia seu livro Petita, o mangaká Takehiko Inoue, criador de Slam Dunk e Vagabond, concedeu uma entrevista para a equipe do site francês Manga-News. Além do livro, Inoue fala sobre seus mangás.

Manga-News: Seu último título publicado na França é Pepita. Esta história se centra no artista espanhol Antonio Gaudi, a quem você queria prestar uma homenagem depois de uma viagem a Barcelona, em 2011. O que te atraiu sobre esse artista?

Takehiko Inoue: Ao estudar as obras e construções de Gaudi, eu não senti sentimentos específicos, mas no geral tive a impressão que essa pessoa chegou a transcrever, a partir de elementos da natureza das emoções que os seres humanos não sentem necessariamente, seu estilo próprio. Nos edifícios de Gaudi surgiu algo que eu não encontrei em outros arquitetos.

pepita-takehiko-inoue-kaze

Manga-News: Você está aqui em Paris, uma cidade famosa pela sua arte, que tem sua história intimamente ligada a ela, além de muitos museus… Alguma vez você já visitou a cidade? O que você mais gostou?

Takehiko Inoue: Na verdade, cheguei ontem (quarta-feira março 2013 ou 20, nota), então eu não tive tempo de visitar nada além do entorno de meu hotel. Todavia, ao contrário do que muitas pessoas pensam, eu não sou muito versado na arte (risos).

Manga-News: É verdade que muitas pessoas pensam! (risos)

Takehiko Inoue: Depois disso, não acredito que eu não tenho interesse em arte! Por exemplo, adoraria visitar o Louvre… Talvez você pudesse me aconselhar para visitar outros lugares?

Manga-News: O Museu de Orsay é maravilhoso, eu recomendo!

Takehiko Inoue: Obrigado pelo conselho! (risos)

slam_dunk_01Manga-News: Lemos em uma entrevista antiga que você pensa em retomar a série Slam Dunk um dia. Esse projeto ainda é relevante?

Takehiko Inoue: Sim, essa ideia sempre ficou na minha cabeça, mas eu não quero me pressionar sobre esse projeto. Por ora, espero me sentir realmente pronto antes de eu “dar um passo a diante” em Slam Dunk, o que não é o caso hoje.

Manga-News: Durante o lançamento do Slam Dunk, a popularidade do basquete no Japão aumentou significativamente. 17 anos após o fim da série, o basquete ainda é tão popular em seu país?

Takehiko Inoue: Desde o fim da série, a popularidade do basquete, infelizmente, caiu no Japão… Já que para seguir o esporte na TV japonesa, é essencial ter TV a cabo, o que não é para todos. E depois de alguns anos, as equipes da NBA iam de tempos em tempos às ilhas para jogos de exibição, preferem hoje ir para a China… O que por outro lado me deixa triste!

Manga-News: Você mesmo é um grande apaixonado pelo basquete. Além da série Slam Dunk Real e, ouvi dizer que você estava no comando de uma seção dedicada à NBA para a revista Young Jump…

Takehiko Inoue: Sim, isso mesmo! Esta seção é chamado Showtime, e ela nasceu dois anos antes do debut de Real. Quando Real começou, preferi me deter para investir a fundo na série.
De fato, após Slam Dunk, um responsável da revista Young Jump ficava me chamando para desenhar um novo mangá sobre basquete… No começo eu não sabia se era uma boa ideia, porque eu estava trabalhando em Vagabond, mas ele insistiu tanto que nós concordamos que eu trataria de uma seção dedicada à NBA, enquanto eu me dedicasse a realização de Real!

vagabond_01Manga-News: Falemos um momento sobre Vagabond… A série teve uma longa pausa entre 2010 e 2012. Você pode nos dizer mais sobre isso?

Takehiko Inoue: Essa pausa é simplesmente devido a problemas de saúde. Eu estava muito cansado no momento e meu corpo não conseguia acompanhar, esse é o porquê de eu pedi ao meu editor uma pausa, simplificando.

Manga-News: A condição humana é um tema querido em seu coração, visto em Real com personagens que enfrentam uma deficiência, ou através do questionamento e da jornada iniciática de Musashi em Vagabond. Você pode definir rapidamente sua visão da condição humana?

Takehiko Inoue: A minha visão é mais facilmente explicado no caso do Real. O que eu quero mostrar é que qualquer um pode cair em desespero quando uma coisa muito séria, como um acidente, por exemplo, acontece. Mas, mesmo quando se chega ao fundo do poço, sempre se pode encontrar a força para levantar-se, para continuar a sua vida, até mesmo crescer com os golpes do destino, considerando que e as podem nos trazer coisas ruins mais tarde, desde que se elimine quando elas chegam. Isto é o que eu quero transmitir com Real: que tudo não termina em nossas vidas quando um evento terrível nos afeta.

Manga-News: Essa também é nossa impressão, inclusive de Real, que para deixar os personagens avançarem eles precisam se repelir mutuamente…

real_01Takehiko Inoue: Sim, é verdade. No cotidiano, existem pessoas que sofrem acidentes graves e acabam em uma cama de hospital, desesperadas. Nós sempre sentimos que essas coisas acontecem em filmes ou etc., e que é impossível que isso aconteça para nós. Mas mesmo quando isso acontece com a gente, podemos sempre encontrar alguém que tenha experimentado a mesma coisa e falar com ela para se confortar, perante a realidade que pode ser tão cruel.

Manga-News: É também por isso que você deu esse título para Real, no sentido de que a série reflete a realidade?

Takehiko Inoue: Para ser honesto, foi o  meu gerente editorial que pensou nesse título para esta série. (risos)
É uma palavra que ele usou bastante durante suas entrevistas, e assim ele pensou em usar para nomear a série.

Manga-News: Tinta, lápis, pintura, caligrafia, iPad e até mesmo desenhos à giz por estes 10 anos… Você usa muitas ferramentas para expressar seu talento artístico. Existem outras ferramentas que você gostaria de aprender a usar?

Takehiko Inoue: Evidentemente, um dia eu senti a necessidade de desenhar com outras ferramentas. Hoje desejei desenhar com objetos naturais que estão à nossa volta… Por exemplo, eu já vi pessoas na China que usavam água para desenhar no solo, ou que realizavam seus desenhos, gravura sobre a pedra.

Manga-News: Depois de vários anos, sua reputação tem ido além do quadro do mangá e você é considerado um verdadeiro artista em seu próprio estilo, o que se reflete no seu interesse pela arte. O que levou você a ir além do mangá? Houve um clique (graças a uma obra ou um artista específico)?

Takehiko Inoue: Não há nenhum evento especial na minha vida que me levou a ter esse interesse, que é devido ao meu trabalho mangaká. Por exemplo, em Real, eu percebi nesta série que precisaria ultrapassar os limites do âmbito da minha profissão. Para Vagabond, a minha abordagem foi diferente. Eu queria empurrar os limites do mangá e fazer outras coisas do que o que normalmente é feito. Vagabond é um terreno que eu usei para experimentar coisas novas, provavelmente devido a isso que eu me abri gradualmente para outros caminhos artísticos.

dessin-slam-dunk-inoue2-itw

Manga-News: Você tem agora uma carreira muito rica e diversificada e um verdadeiro reconhecimento do público e da crítica. Sobre todos esses anos de carreira, o que você acha dela? E de que maneiras você gostaria de explorá-la melhor no futuro?

Takehiko Inoue: Estou muito feliz com minha carreira de mangaká, e com obras que eu fiz. Provavelmente porque eu fui capaz de produzir o que eu queria fazer, e eu não tinha limites específicos. Neste nível estou muito feliz com os meus primeiros 25 anos de mangaká! (risos)
Quanto ao futuro, eu não gosto de me projetar muito adiante, eu prefiro me concentrar no meu trabalho atual e dar o melhor de mim mesmo. Eu não tenho nenhuma visão a médio ou longo prazo, do que vou fazer a seguir.

Esta notícia é uma tradução livre da entrevista original do site Manga News com o mangaká Takehiko Inoue, que pode ser visto aqui.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of