Free! – Dive to the Future – Anime de Esportes ou puro fan service? Por que os fãs de animes de esportes não consideram Free como parte do gênero?

Leticia Santana
(Redatora de Blog)

Título: Free!

Título Alternativo: Free! – Dive to the Future

Gênero: Comédia, Drama, Escolar, Slice of Life, Esportes

Estúdios: Kyoto Animation, Animation Do

Número de episódios: 12

Estreia: 2018 | Temporada de Verão

Free! é uma série de TV, e conta atualmente com três temporadas finalizadas, sendo que a última delas foi intitulada Free! – Dive to the Future, apresentada na temporada de verão deste ano, e contou com 12 episódios. A série foi inspirada em uma light novel escrita por Kōji Ōji e dirigida por Eisaku Kawanami.

©Kyoto Animation/Animation Do/ Kōji

A princípio a obra girou em torno de quatro colegas de um colégio chamado Iwatobi, sendo eles Haruka Nanase, Makoto Tachibana, Nagisa Hazuki e Rei Ryūgazaki, os quais decidiram reabrir o clube da escola. Posteriormente é inserido no plot Rin Matsuoka, amigo de infância, rival de Haruka, e principal responsável pela inserção de outros personagens relevantes para a obra, já que ele estuda no colégio Samezuka, escola rival de Iwatobi.

Agora, na terceira temporada da animação e um pouco mais maduros, Haruka, Makoto e Rin se tornam estudantes universitários, ao passo que Nagisa e Rei continuam na escola Iwatobi, criando assim dois núcleos centrais para a trama.

E quanto ao esporte?

Apesar de muita discordância por parte do público mais conservador, Free é também classificada como pertencente ao gênero Esporte, pois apresenta sim esse universo mais competitivo, típico dos animes de esportes, mas com um foco maior no cotidiano e na interação entre os atletas. O que é um diferencial, já que a maioria das obras do gênero possui um enredo mais centrado nos treinos e no desenvolvimento dos atletas, sempre em busca de superar limites e conquistar títulos. Ao que Free não está nem um pouco preocupado em mostrar isso, mas sim em como o esporte pode unir pessoas e torná-las mais sociáveis e isso é claramente demonstrado, e com bastante ênfase nas falas de Haru, que por muitas vezes é aconselhado a participar de competições, já que o mesmo possui um talento nato para o esporte, porém quase sempre contando com a negativa desse. Na terceira temporada ele até muda um pouco de concepção, e passa a competir mais, mas sempre pra agradar ou até mesmo ajudar esse ou aquele amigo.

O esporte como meio de inclusão e bem-estar social

©Kyoto Animation/Animation Do/ Kōji

Quanto penso nessa obra, e em tudo o que ela tenta nos mostrar, vejo um enredo focado em mostrar uma outra face do mundo dos esportes, a qual se torna até mais próxima da nossa realidade, que é o esporte como meio de inclusão e bem-estar social. Pois, como todos sabem, uma ínfima parte dos praticantes de esportes se tornam competidores. A grande maioria pratica atividades físicas em busca de saúde e qualidade de vida. Claro que quando falo de inclusão, não me refiro àquela que conhecemos, com o viés assistencialista, o anime passa longe disso. Me refiro à pessoas introvertidas e com dificuldade de socialização, como é o caso do protagonista (Haru), ou que sofreram traumas de infância (Makoto), ou que sofrem a pressão decorrente de uma educação mais rígida (Nagisa), que é uma realidade para os estudantes japoneses.

Outro assunto que também vale ser lembrado e que foi ressaltado nessa última temporada, são as profissões ligadas aos esportes que possuem tanta relevância quanto a de esportista, que são a de médico, técnico, assistente, e acredito que na quarta temporada teremos um foco maior desses segmentos. Ou seja, está mais do que provado que a proposta da obra vai muito além do que os atletas e suas competições.

Ah, mesmo assim, pra mim esse anime só tem fan service

©Kyoto Animation/Animation Do/ Kōji

Entenda uma coisa: se você é um atleta ou pratica qualquer atividade física, como natação, futebol, vôlei e afins, a tendência natural do seu corpo é se moldar conforme o esporte praticado. No caso da Natação, ela é considerada pelos médicos como um “esporte completo”, porque, segundo eles, trabalha quase todos os músculos do corpo, além de ser indicada para pessoas com sobrepeso, ou com problemas nas articulações, devido ao seu baixo impacto. Ou seja, se você pratica algum esporte, o normal é ganhar um corpo saudável. Portanto, nada mais justo do que o anime representar rapazes sarados e com corpos definidos. Tá achando ruim, deixa de preguiça e vai lá praticar algum esporte, rapah!

©Kyoto Animation/Animation Do/ Kōji

Tá, mas eu não consigo ver esse anime influenciando alguém a praticar natação

Aí é que você se engana meu caro gafanhoto! Essa redatora que vos escreve é a prova viva de que esse, assim como qualquer outro anime do gênero, consegue influenciar seus espectadores a enveredar pelo mundo dos esportes. Antes de Free eu não tinha qualquer interesse nesse esporte, muito menos em aprender a nadar. Hoje eu posso dizer que amo Natação, e que um dos momentos mais prazerosos para mim é quando estou dentro da piscina e dando as minhas braçadas. Portanto, se esse anime não cumpre com esse propósito, olha, então eu não sei de mais nada.

 

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  • Enzo

    Bom. Free tem seus problemas mas ainda é um anime com sua relevância.