Review: Given – O Filme “O Mundo anda tão complicado...”

Alex Kurt
Given
@Given

O filme GIVEN é uma história de contrastes, seja pelas emoções, pelos sentimentos e pela sinergia das letras das músicas emaranhadas na vida dos integrantes da banda. Mostra um lado mais confuso da história que aprendemos a amar desde a primeira temporada e mergulha mais fundo em alguns temas desconfortáveis.

Dizer que GIVEN – O Filme foi altamente antecipado seria um eufemismo muito grande. A primeira temporada foi incrivelmente popular e todos nós queríamos mais. Muitos de nós recorremos ao mangá para satisfazer esse desejo, mas todos esperávamos que o anime GIVEN continuasse também porque, sejamos realistas, uma história sobre música é melhor quando podemos realmente ouvi-la. O mangá ajudou a satisfazer nossa necessidade de saber o que aconteceu a seguir, mas queríamos desesperadamente que o anime o acompanhasse. Felizmente, um filme foi anunciado rapidamente e que nosso desejo finalmente seria atendido.

Sabíamos que poderia levar algum tempo para o filme GIVEN chegar até nós, pois essa é a natureza de ser um fã de anime no exterior, mas então a pandemia nos atingiu e as coisas ficaram ainda mais incertas. A Crunchyroll tem os direitos para transmiti-lo, mas eles foram um tanto vagos sobre quando o faría. Primeiro, descobrimos que ele chegaria à plataforma em algum momento de 2021, então nos disseram vagamente que o receberíamos “em fevereiro”. A data exata permaneceu um mistério até o dia da transmissão.

Given
@Given

Mas finalmente – FINALMENTE – temos O Filme, e está tudo certo com o mundo. Quer dizer … ok, o mundo ainda está muito confuso agora em geral, mas está tudo bem no fandom, pelo menos, e a nossa longa espera acabou. Então isso é alguma coisa, certo? Leve as vitórias de onde puder obtê-las.

É apropriado obtermos o lado mais confuso da história quando nosso próprio mundo é bastante confuso. O filme foca em cenários mais complicados contrastados com a história mais otimista que aprendemos a amar na primeira temporada. O mundo de GIVEN não é todo romance fofo e relacionamentos felizes. É verdade que sabíamos que havia mais complexidades no mundo por causa da história de Mafuyu com Yuki, mas mesmo isso nos foi transmitido por meio de um veículo narrativo mais reconfortante – Mafuyu aprende a lidar com sua dor por meio da expressão musical e se apaixona novamente. O veículo que entrega as complexidades aqui, na maior parte, não é tão doce.

O primeiro grande elemento de contraste do filme que mergulha em emoções mais pesadas e complexas é a diferença entre nossos dois gênios musicais – Ugetsu e Mafuyu. Ambos têm uma compreensão profunda da música de uma forma que poucos têm, mesmo entre seus colegas músicos. Mesmo quando cercados por outros músicos, a habilidade inata com que nasceram se destaca. Ambos também lutam para expressar emoções, mas a semelhança praticamente pára por aí. A manifestação desses aspectos de caráter de cada um se diverge muito.

Given
@Given

O gênio de Mafuyu estava escondido sob anos de desuso. Ele não começou querendo ser músico, mas sim por meio de seu relacionamento com outras pessoas. Ele acabou descobrindo que era uma válvula de escape para as emoções que cresciam nele ao longo dos anos, e a música permite que ele expresse coisas que ele não poderia de outra forma. A principal emoção que encontramos na primeira temporada foi a dor, seguida por um novo amor em desenvolvimento, e então, no geral, terminou com uma nota alegre quando Mafuyu e Uenoyama iniciaram um relacionamento. Tratava-se de abraçar o que você fôra e encontrar a força para seguir em frente.

Ugetsu, no entanto, está envolvido com música há muito tempo e sabe que é um gênio nessa área. Há um tom de arrogância nele que não existe em Mafuyu. E, enquanto Mafuyu usa a música para se expressar, Ugetsu parece reprimir continuamente suas emoções de uma forma que afeta negativamente aqueles ao seu redor. A música não parece ser uma válvula de escape para o Ugetsu, mas sim uma habilidade que sustenta muitos de seus caprichos egoístas. Em nenhum momento eu vi Ugetsu se apresentar e senti como se suas emoções estivessem fluindo através das notas, como sinto em Mafuyu. Sua genialidade não se estende a ser capaz de utilizar suas habilidades para seu próprio aprimoramento, como faz Mafuyu. Essa incapacidade, por algum motivo, complicou ativamente seu relacionamento com os outros.

Mafuyu e Ugetsu também contrastam através dos eventos principais da história e seu papel dentro deles. Enquanto a primeira temporada de GIVEN se concentra no amor florescente entre Uenoyama e Mafuyu, o filme se concentra fortemente nos relacionamentos complicados que envolvem o baterista de GIVEN, Akihiko. Primeiramente, o longa examina o relacionamento de Akihiki com seu ex-namorado e atual “amigo com benefícios” Ugetsu, e o relacionamento menos refinado e não correspondido (no início) com Haruki. O contraste entre a vida amorosa de Mafuyu e Uenoyama ao lado da situação complicada Ugetsu-Akihiko-Haruki é bastante gritante.

Given
@Given

Tento o meu melhor para não tornar pública a vilania de ninguém nesta situação complicada de relacionamento, mas não posso deixar de ver Ugetsu como a fonte de muitas dessas emoções difíceis e eu realmente luto para ter empatia por ele. Tenho certeza de que existem defensores do Ugetsu por aí que podem explicar porque eu deveria sentir empatia, mas é uma luta interna para mim. Ele diz que ama Akihiko, mas terminou com ele, mas também o mantém por perto como um colega de quarto e amigo com benefícios. Ele o expulsa de sua casa quando ele traz um novo interesse romântico, então se torna fisicamente abusivo quando isso deixa Akihiko irritado.

É difícil não odiá-lo quando ele faz isso, mas eu realmente tento ver suas lutas emocionais pelo que são e tento entender que as pessoas são complicadas, mas há apenas algumas coisas que não consigo superar. Ugetsu sempre terá uma nuvem de negatividade pairando sobre ele para essas coisas e não posso me esforçar ao ponto de racionalizar isso direito.

Given
@Given

O dano emocional que Ugetsu inflige em Akihiko então se espalha para Haruki, o que torna ainda mais difícil ser um espectador imparcial do longa. A cena com consentimento duvidoso entre Akihiko e Haruki me deixou furioso com Ugetsu quando ele nem estava na cena. Akihiko é responsável por suas próprias ações e eu não discuto isso nem estou dando desculpas por seu comportamento, mas ele não tem exatamente um histórico saudável de relacionamentos para modelar seu comportamento. Isso não é uma desculpa, mas sim uma explicação. De alguma forma, forçar-se o Haruki em expor todas as suas emoções ao ar livre com a elegância de um touro em uma loja de porcelana, dado o que passou, isso deixa Haruki ferido e perdido.

De todos os personagens nesta situação, eu entendo a expressão de Haruki sobre suas emoções. Quando confrontado com um evento traumático e emocionalmente prejudicial, seu primeiro instinto é cortar o cabelo. Cara, eu estive lá! Não vou me aprofundar muito nas ervas daninhas de minha própria turbulência emocional de amor fracassado, mas houve um incidente induzido pela ansiedade de juventude, tarde da noite, pegar um cortador de cabelo e através de um espelho mudar radicalmente meu visual para não ver mais aquele reflexo do passado. Por causa disso, é ainda mais difícil para mim ver a situação com Ugetsu e Akihiko com qualquer tipo de neutralidade. Eu me agarrei a Haruki e é daí que virá minha interpretação desses eventos, e é por isso que provavelmente projeto tanta frustração em Ugetsu ao assumir uma postura mais matizada com as transgressões de Akihiko.

Given
@Given

Não sou neutro aqui e não pretendo ser. Sua interpretação dos eventos pode variar dependendo de onde você decidir entrar na história. Podemos discordar totalmente aqui.

O primeiro instinto de muitas pessoas para esse tipo de complexidade seria descartar Akihiko e Haruki como um relacionamento doentio devido à forma dúbia como começou e se recusar a explorá-lo mais. Não estou realmente disposto a fazer isso, embora esteja emocionalmente envolvido em Haruki e a situação o magoe. Embora a toxicidade do relacionamento de Akihiko com Ugetsu certamente tenha sangrado para começar, eu aprecio narrativas que possam explorar esse tipo de situação tumultuada de uma forma que não descarta os aspectos negativos ou dê desculpas para isso. Akihiko absolutamente começou seu relacionamento com um ato duvidosamente consensual, e isso é muito terrível, mas esse ponto de partida sombrio permite que a história explore uma quantidade extrema de crescimento do personagem ao longo do filme.

Eu “shipo” Akihiko e Haruki, mesmo com os aspectos complicados de seus relacionamentos. Um relacionamento não precisa ser perfeito para ser merecedor de exploração em uma narrativa. Não precisamos tolerar todos os aspectos de algo para encontrar uma dinâmica interessante ou válida. E não temos que usá-lo como modelo para nossos próprios relacionamentos. Eu shipo isso pelas suas complexidades como isso será narrado.

O último grande contraste que quero destacar é a música principal do filme GIVEN.

Enquanto a primeira temporada foi construída para Mafuyu escrever a letra de Fuyu no Hinashi, o filme segue a criação de Yoru ga Akeru.

Enquanto Fuyu no Hinashi falava da dor de Mafuyu, aprendendo a deixar essas emoções irem e crescendo a partir delas, a letra de Yoru ga Akeru pode ser aplicada a ambos os relacionamentos principais e como eles podem seguir em frente com algo novo após um evento negativo da vida.

A música foca nas mudanças, renovação, desapego e ver um futuro mais brilhante à frente, apesar da escuridão em que a pessoa pode se encontrar a qualquer momento. Isso pode ser refletido em ambos os casais principais, mas é especialmente relevante para a situação de Akihiko enquanto ele navega por tantas emoções conflitantes. Basicamente, Akihiko muda. Ele muda para melhor e começa a ver uma luz no horizonte, mesmo quando está cercado pela escuridão.

Isso não significa que tudo o que ele experimentou e fez aos outros foi apagado. Mas ele mudou. Ele largou Ugetsu, recusando-se a continuar no caminho tóxico da dor de cabeça, do abuso e da incerteza. Ele finalmente termina com Ugetsu para sempre e embarca em um novo caminho com Haruki, muito parecido com como Mafuyu superou sua dor e embarcou em um relacionamento com Uenoyama.

As mudanças são mais óbvias quando ele pede permissão a Haruki para tocá-lo, que Haruki concede. Ele então confessa seu amor por ele quando os dois se abraçam. Juntos, eles decidiram que vale a pena explorar o amor entre eles, mesmo que não tenham começado da melhor maneira e tenham uma bagagem emocional que precisa ser tratada. Eles podem ter um futuro juntos, e pode ser brilhante, mesmo que as coisas pareçam sombrias agora. O amanhecer está raiando.

O mangá conta toda essa história ao mesmo tempo em que ainda nos mostra o relacionamento inicial de Uenoyama e Mafuyu, então, se eu tivesse uma crítica, era que me senti um pouco privado dela ao longo do filme. Recebemos fragmentos dela durante os créditos finais, mas muito mais acontece durante a criação da segunda música do que apenas a situação do triângulo amoroso de Akihiko. Mas mesmo com essa lacuna, o filme foi emocionalmente ressonante para mim, evocando emoções complexas da minha própria vida ao lado da história desses personagens que passamos na primeira temporada da série e no mangá. Acertou as notas certas (com o perdão do trocadilho) e no geral o filme GIVEN valeu a espera.

E vocês o que acharam desse filme? Também foram tocados pelo estilo de relacionamento deles? Deixem nos comentários!

GIVEN: O Filme pode ser visto através da Crunchyroll.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments