A finada Xebec Como foi a Xebec no mundo dos animes com três títulos do Estúdio

Josenilson Vinicius
(Pauteiro do UNITEDcast)
To Love-Ru
©To Love-Ru/Shounen Magazine/Xebec

Era maio de 2019, I.G Port anuncia que a staff da Xebec seria absorvida pela Sunrise já que mesmo com uma ajuda de 300 milhões de ienes para sanar as dívidas do estúdio, tal ato não impediu a bancarrota, com isso tivemos a falência e os fechamentos das portas deste que promoveu o gênero Ecchi desse século com vários títulos famosos que marcaram nossa geração, fora grandes títulos fora desse gênero, com essa premissa trago para vocês três obras que pontuam as três fases desse estúdio, desde seu inicio ao sucesso internacional e seu fim melancólico, todos que falarei estão no escopo do gênero Ecchi pois fica mais fácil marcar essas três fases e até falar de um deles explicará como esse estúdio celebrado começou a decair.

Love Hina: o Primeiro de todos.

Love Hina
©Love Hina/Shounen Magazine/Xebec

Gênero: Comedia, harém, Romance, Ecchi e Slice-of-life;
Baseado em:Mangá de Ken Akamatsu;
Diretor: Iwasaki Yoshiaki (Okaasan Online);
Data de estreia: 19/04/2000.

Sinopse:

“Nessa história acompanhamos Urashima Keitarou que possui 20 anos de idade, foi reprovado duas vezes, indo para a terceira, no vestibular para a universidade de Tóquio (Toudai) e busca se reencontrar com o seu primeiro amor, que não o vê desde sua infância, para piorar ele não possui um trabalho, até que um dia fatídico chega e recebe uma ligação da sua avó pedindo para ir à sua hospedaria, ao chegar percebe que o local estava vazio e a hospedaria possui uma terma, logo ele aproveita para tomar um banho e na pior maneira possível ele descobre que tal hospedaria era exclusiva para mulheres e só não foi morto pelas hóspedes graças à sua tia que explica que ele será o gerente do local, mas também fala que ele é estudante da Toudai e a partir daí começa a começa hospedaria. ”

Love Hina
©Love Hina/Shounen Magazine/Xebec

Sim Love hina pode ser considerado Ecchi, obviamente não comparando com obras atuais, pois muitas delas parecem soft-porn mas sim obras da época como Tenchi Muyo!, e vou além pois muito da estrutura do Ecchi atual esta presente em Love Hina, obviamente mais diluída pois diferente de hoje onde temos múltiplos títulos do gênero que atendem múltiplas demandas, na época existiam poucas opções que não passavam da linha da “moralidade” para não perder o direito de transmissão. Focando no anime esse é a segunda obra do estúdio que conseguiu um sucesso estrondoso pois o primeiro foi Kidou Senkai Nadesico de 1996, por si só é uma surpresa que uma obra com um diretor novato, sim esse foi o segundo trabalho de Iwasaki, tenha ficado tão bem feita e cativante, principalmente quase vinte anos depois a animação do anime não ficou datado, apesar que o grande destaque da produção tenha sido a trilha sonora mas o Iwasaki não possui responsabilidade sobre essa área. Love Hina marca o inicio promissor do estúdio, principalmente para o Ecchi que foi o carro-chefe para a fama internacional dele já que Love Hina é o único anime da lista que possui uma dublagem nacional.

Love Hina
©Love Hina/Shounen Magazine/Xebec

To LOVE-Ru: o Ápice e a Queda.

To Love-Ru
©To Love-Ru/Shounen Jump/Xebec

Gênero: Comedia, harém, Romance, Ecchi, Sci-Fi e Escolar;
Baseado em:Mangá de Yabuki Keitarou e Hasemi Saki ;
Diretor: Kato Takao (Keijo!!!!);
Data de estreia: 04/04/2008.

Sinopse:

“A história da obra gira em torno de Yuuki Rito, um estudante do colégio que não pode (ou não consegue) se confessar para a garota de seus sonhos, Sairenji Haruna. Um dia, quando volta a casa e vai até a banheira, uma misteriosa garota nua aparece do nada. O nome dela é Lala Satarin e ela vem do planeta Deviluke, onde é a herdeira do trono. Seu pai quer que ela volte para sua casa, para que possa casar com um de seus candidatos a marido. Mas ela acaba por decidir que quer se casar com Rito e ficar na Terra.”

To Love-Ru
© To Love-Ru

Aqui temos a principal bandeira do estúdio e a primeira obra quando falamos ou do estúdio, ou do gênero como um todo, To Love-Ru é a franquia de sucesso para Xebec e foi a que consolidou para muita gente o gênero Ecchi, inclusive seus estereótipos e clichês típicos no gênero, provavelmente você ficou irritado com o comportamento de Yuuki Rito junto com as garotas ou a “gravidade” própria dele quando esta perto de alguma garota ou até mesmo aquela cena do picolé no To Love-Ru Darkness e por falar dele é o ponto critico do estúdio pois foi nessa série onde To Love-Ru virou algo adulto, onde a virgindade do Rito foi ampliada e tivemos um desenvolvimento da Yami-chan e tivemos uma mudança de foco saindo de um Slice-of-life para se tornar um anime de ação e aqui começa o fim do estúdio pois o clímax que ocorre na segunda temporada de To Love-Ru Darkness, quarta da série em geral, tivemos muita ação rompendo com aquele Ecchi sempre apresentado durante as temporadas anteriores, graças a isso foi necessário a contratação de profissionais capacitados que precisavam se focar no trabalho e como tivemos muitos, mas belos, episódios animados custando obviamente muito dinheiro e como na época o Streaming não pesava tanto quanto a venda de Blu-ray e DVD e como esses itens não renderam o suficiente para pagar a obra acabou deixando o estúdio no prejuízo já que o comitê de produção não “quis” tal prejuízo, com isso o estúdio acumulou dívida atrás de dívida que acabou carregando o mesmoa falência.

To Love-Ru
©To Love-Ru/Shounen Jump/Xebec

Yuragi-sou no Yuuna-San: o Último prego do Caixão.

Yuragi-sou no Yuuna-san
©Yuragi-sou no Yuuna-san/Shounen Jump/Xebec

Gênero: Comédia, Harém, Romance, Ecchi, Sci-Fi e Sobrenatural;
Baseado emMangá de Miura Tadahiro;
Diretor: Nagasawa Tsuyoshi (Nyarako-san);
Data de estreia: 14/07/2018.

Sinopse:

“Seguimos o protagonista Fuyuzora Kogarashi, um estudante do ensino médio com poderes espirituais bastante diferente. Fuyuzora, desde criança sempre foi possuído por espíritos que acabavam lhe causando muitos problemas. Cansado desses problemas, Fuyuzora passou a treinar para combatê-los e acabou por se tornar muito forte. Vivendo sem teto, num certo dia Fuyuzora, encontra uma pessoa que oferece um quarto de graça em uma pensão muito boa caso ele se livre do fantasma que assombra a mesma. Porém tanto o fantasma quanto a pensão é muito diferente do que ele imaginava”

Yuragi-sou no Yuuna-san
©Yuragi-sou no Yuuna-san/Shounen Jump/Xebec

Por fim vamos falar da última obra do estúdio, tem Soukyuu no Fafnir mas como uma série de filmes que ainda não terminou, ou seja passou para algum estúdio da I.G Port, então formalmente é o último trabalho do estúdio e como esperado é um Ecchi da Shounen Jump já era esperado um To Love-Ru da vida mas não foi bem assim, Yuragi-sou no Yuuna-san é um anime marcante para mim pois eu li o mangá antes do anime, comecei uma temporada antes do lançamento do anime mas ainda valeu a experiência de ver a adaptação do material-base e imagine aspas em adaptação. Yuragi-sou no Yuuna-san possui múltiplos problemas na sua adaptação, começado com o lançamento de um OVA alguns dias antes da série de anime e foi surpreendente assistir esse “episódio zero” fica parecido com o que foi apresentado no anime e caso você seja novo nesse mundo otaku normalmente OVA seria um episódio bônus para caso você compre os blu-ray’s da serie, normalmente existe uma melhora dos episódios quando lançados nos discos azuis em comparação aos lançados pela TV e como esse episódio extra vem neles é esperado que seja bem feito, com essa explicação imagine tudo isso ao contrário e teremos os três episódios lançados fora da série de TV, focando na série de TV e esquecendo o primeiro e o último episódio que foram até ok, todos os outros dez episódios mostraram o que algumas últimas séries do estúdio apresentaram: uma produção péssima, tirando a trilha sonora que foi ok e os bons dubladores, destacando aqui a Sagiri que foi dublada por Takahashi Rie (Mashu de Fate/Grand Order), tudo desse anime parece ter sido feito as pressas, pouca animação, personagens sem consistência, roteiro fraco e nada original, mesmo que o material original não seja essas coisas mas possui mais piadas em relação ao roteiro do anime.

Yuragi-sou no Yuuna-san
©Yuragi-sou no Yuuna-san/Shounen Jump/Xebec

Chega a ser muito triste ver a obra e o estúdio estarem tão debilitados a tal ponto que tivemos personagens mau-desenhados em quadros estáticos, o único momento onde eles deveriam estar no mínimo bem feitos. Foi também aqui que criei um senso critico em relação ao Ecchi, se vocês repararem bem nas lingeries das personagens, geralmente as mais velhas possuem lingeries bastantes detalhas, mesmo que elas mal saiam de casa, aqui nasce a nota de corte pois se as lingeries estiverem mau detalhadas, lembrando que estou falando de modelos “calientes” e não padrões que buscam ser discretos, é a prova que o anime é mal-feito pois errarem no elemento mais simples para o erotismo é algo grave, tal erro ocorre nessa obra que chega a ser triste ver um estúdio tão consagrado para esse gênero errar no mais básico.

Yuragi-sou no Yuuna-san
©Yuragi-sou no Yuuna-san/Shounen Jump/Xebec

Falando das obras em geral as recomendo, principalmente você que gosta de um Ecchi, são boas obras que seguem o ABC do gênero, algumas mais outras menos, mas são excelentes fontes de diversão, retire excelente para Yuragi, elas mostram as facetas do estúdio durante seus anos de produção desde de seu inicio, seu ápice e sua decaída, mesmo com suas falhas, -sim To Love-Ru possui falhas-, elas carregam  o legado da Xebec para as próximas gerações.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of