Você realmente entendeu Sonny Boy? Ao longo de 12 episódios, a animação leva o telespectador em uma viagem reflexiva sobre a vida

Welerson Silva
(Redator do Blog)
@welcr_silva
© Sonny Boy
© Sonny Boy

Nas primeiras impressões da temporada de julho, o Alex comentou sobre Sonny Boy. Nas palavras dele, Sonny Boy seria a “melhor série do verão”. E devo compactuar com ele.

A história desses jovens perdidos em um mundo misterioso chama a atenção desde seu primeiro episódio. Contudo, mesmo a animação denotando logo de cara que seria algo único, talvez não se soubesse de toda a proporção que a obra tomaria ao longo de 12 episódios.

É provável que Sonny Boy seja um dos melhores animes de sua temporada. Todavia, pode não receber de fato todo esse brilho, uma vez que sua narrativa se restringe quando o assunto é ser “algo mais convencional”.

Não há problema nenhum em ser comum. A questão aqui é que Sonny Boy é um anime com uma pegada singular e que aborda sobre temas mais complexos, como solidão, ostracismo, anarquia, existencialismo e por aí vai.

Somando com esses temas, a produção do título abarca também um conceito complexo. Cenas com cortes brutos, um design de animação um tanto diferente e repleta de transições coloridas entre as passagens dos mundos apresentados na história. Por fim, vale salientar aqui que o diretor é Shingo Natsume, o mesmo diretor de One Punch-Man.

Tudo isso parece ser muito viajado. E de certa forma é mesmo. Mas calma.

Breve resumo da história do anime

É quase certo que metade das pessoas que assistiram Sonny Boy não compreenderam. E isso é totalmente normal. Eu mesmo não entendi o todo. Entretanto, o importante é captar a grande mensagem que a obra quer passar: pensar acerca de si mesmo e da vida.

Antes de destrinchar a história, é interessante comentar superficialmente sobre o que ela é, caso você que esteja lendo nunca assistiu ou mesmo nunca tenha ouvido falar do anime.

© Sonny Boy
© Sonny Boy

Em síntese, no meio das férias de verão, o estudante Nagara, a misteriosa estudante transferida Nozomi e colegas de classe são repentinamente transportados de suas vidas cotidianas tranquilas para uma escola à deriva em uma dimensão desconhecida.

Nesta dimensão, tudo o que os alunos encontram são perguntas e mais perguntas. Não há uma resposta para nenhum dos problemas que começam a surgir em suas vidas. Ademais, não sendo o bastante, alguns estudantes ganham habilidades especiais. E assim, neste novo mundo sendo povoado por jovens, Sonny Boy desenvolve sua temática filosófica.

Entendo (ou quase isso) Sonny Boy

Sonny Boy é um anime que nos leva em uma viagem em direção à questionamentos acerca da vida. Sobretudo, à maneira na qual nos enxergamos nela e o que pensamos sobre ela.

O anime é consideravelmente abstrato. Logo, sua mensagem é difícil de ser decodificada logo de cara. Entender este anime é um processo. Assim como a vida e fazer parte dela.

Em 12 episódios, Sonny Boy desperta questões sociais e individuais de suma importância. E é muito fácil acreditar que toda a fábula seja uma grande metáfora.

Muitos dos alunos que estão envolvidos nesta trama passam por problemas, como por exemplo o caso em que muitos não conseguiam se encaixar e, por isso, se isolaram em seus próprios mundos. Entender essa crítica e pensar sobre ela é um dos objetivos da obra.

© Sonny Boy
© Sonny Boy

E sobre os mundos, também pode ser tratado como uma tentativa de representar algo. Como se trata de uma narrativa sobre jovens, pode-se imaginar a lógica de como funciona a cabeça dos jovens, ainda mais neste mundo contemporâneo, que requer sempre mais a cada dia.

Aliás, o próprio anime denota que estes mundos foram criados para que o protagonista pudesse se ausentar de seu mundo atual. E, claro, consequentemente, de tudo que pertencia a este mundo. Em resumo, uma forma de escape.

Por fim, cada mundo funcionava com um mecanismo diferente. E foi a partir dessas novas formas que precisavam ser descobertas que a união, o cognitivo, as habilidades e também as problemáticas foram sendo apresentadas para o telespectador.

A evolução dos personagens e também do telespectador

Ao todo, se não estou equivocado, foram dois anos que nossos personagens ficaram à deriva nesses mundos paralelos. Muitas lições foram ensinadas e aprendidas. E embora aqueles mundos parecessem mais fáceis, havia o desejo no coração de voltar para o mundo real.

Uma frase que o anime enfatizou bastante, parafraseando, foi: “não podemos mudar o passado, mas podemos escolher como será nosso futuro”. Em suma, por mais que o mundo original fosse “comum” ou medíocre, ainda assim era o mundo deles.

Assim como houveram mudanças nos mundos paralelos, neste mundo real também podem haver mudanças consideráveis. E, acima de tudo, uma evolução pessoal. Para evidenciar isto, a animação apresenta o desenvolvimento de Nagara, o protagonista da série.

© Sonny Boy

Pode-se fazer um paralelo entre o início do anime e o final. Como Nagara era, as atitudes que tinha e o que ele se tornou após dois anos vivendo à deriva. Enfim, Sonny Boy é uma gigantesca história que aborda sobre questões impactantes.

Mais do que qualquer outra coisa, é um anime sobre a vida e as nuances dela. Com certeza haverão interpretações divertes a esta apresentada neste texto.

E é possível que todas estejam corretas, porque Sonny Boy não está preocupado em definir um veredito. Sonny Boy está preocupado com todo o processo e em como suas mensagens podem impactar a vida de alguém da melhor maneira que esse alguém conseguir interpretar para si.

E você, o que achou de Sonny Boy? Deixe aí nos comentários.

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sara Campos
Sara Campos
18 dias atrás

Texto bem feito