Goblin Slayer – Político americano quer proibição da franquia "Qualquer um que pense que isso é aceitável está mentalmente doente"

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Goblin Slayer
©Goblin Slayer

Matt Shaheen, um republicano do 66º distrito do Texas, citou Goblin Slayer como um exemplo de livro ‘obsceno’ a ser banido das escolas. Ele descreveu o conteúdo para o Houston Chronicle como “imagens gráficas de mulheres sendo estupradas por demônios” e declarou: “Qualquer um que pense que isso é aceitável está mentalmente doente. Iremos atrás dos vendedores que venderam esse lixo para as crianças do Texas‘.

Ele não disse quais escolas do Texas tinham Goblin Slayer em sua coleção de livros. Ele também não especificou se estava se referindo à série de novels Goblin Slayer de Kumo Kagyu ou à adaptação do mangá de Kousuke Kurose. Deve-se notar que a editora Yen Press licenciou os romances e o mangá nos EUA.

Por outro lado, os debates republicanos (de direita política) em torno das proibições de livros se concentraram amplamente na raça e na educação LGBTQ+, com a graphic novel de Maia Kobabe, Gender Queer: A Memoir, despertando uma controvérsia particular devido à sua representação de crianças envolvidas em atividade sexual como parte da narrativa de maioridade.

Shaheen descreveu o conteúdo de Gender Queer: A Memoir como ‘crianças pequenas realizando atos sexuais umas com as outras‘, argumentando que nem Gender Queer: A Memoir nem Goblin Slayer deveriam estar nas escolas. Ele argumentou que ambos os títulos se enquadram na definição de obsceno do Código Penal do Texas: “Representações ou descrições patentemente ofensivas de atos sexuais reais ou simulados, normais ou pervertidos, incluindo relações sexuais, sodomia e bestialidade”.

Goblin Slayer atraiu sua própria parcela de controvérsia quando estreou em 2018. A organização para a Ética da Transmissão e Melhoria do Programa (BPO) do Japão discutiu a violência sexual retratada no primeiro episódio do anime. Um espectador expressou que a violência sexual explícita era uma má influência para os jovens, mas o comitê respondeu que sentiu que a forma como a cena foi retratada havia sido levada em consideração e que estava dentro de um intervalo aceitável para o que é transmitido em um horário noturno.

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.