Segundo autor japonês: ‘O subgênero isekai está estagnado e não tem mais originalidade’ É sempre tudo igual?!

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Isekai Cheat Magician
©Isekai Cheat Magician

Housuke Nojiri é um renomado escritor japonês de histórias de ficção científica. Em entrevistas anteriores ele se declarou fã de Arthur C. Clarke, e seus próprios trabalhos são classificados como hard fiction (ele enfatiza aspectos técnicos ou científicos), privilegiando a ciência planetária como assunto. Sua série Rocket Girls trata de voos espaciais humanos na forma de uma light novel com um forte suporte de ficção científica. A razão pela qual apenas meninas são contratadas como astronautas em romances é por causa de sua leveza.

Mas neste artigo não revisaremos nenhum de seus trabalhos, mas uma série de posts no Twitter, que ele acabou eliminando, onde criticou que o subgênero isekai na indústria de light novels está preso em ‘histórias sobre protagonistas quebrados que conseguem um harém” sem um pingo de originalidade, e convidou seus seguidores a não continuarem consumindo essas histórias para “não continuarem alimentando a mediocridade”.

A sua publicação original dizia: “Você reencarnou em um personagem quebrado e você foi para outro mundo, um mundo semelhante a um videogame em que não há um pingo de imaginação, vi adaptações animadas em que as meninas vão com o protagonista sem nenhum esforço. É autodestrutivo se você ficar feliz em consumir uma obra que tratou seu complexo público. Vamos tentar ser um pouco mais ambiciosos sobre isso.”

Sua postagem (antes de ser removida) atraiu muita atenção, incluindo o autor Shin Araki (Eiyuu Kyoushitsu, GJ-bu, Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai: Yo wa Pantsu ga Mitai zo, Nagato Yuki-chan no Shoushitsu: Toaru Ichinichi), a quem ele respondeu: “Quanto a mim, eu apenas disse o que pensei que deveria ser dito. Às vezes, as pessoas não estão cientes disso e acho que é uma questão de conscientização. Acho que os jovens de que estou falando são alunos do ensino fundamental e médio, eles também estão cansados ​​desse tipo de trabalho? É aconselhável contar a eles para evitar histórias ruins?”

Housuke Nojiri continuou suas respostas: “Claro, não estou falando sobre removê-los porque são livros ruins. Só peço que as pessoas tenham consciência disso, de seu conteúdo. As histórias de outro mundo escritas por Burroughs eram cheias de originalidade, pelo menos na época de sua publicação. Ele escreveu coisas que o mercado nunca tinha visto antes, então lê-los foi uma ótima experiência. Nas histórias atuais, são raríssimas as ocasiões em que o leitor não consegue pensar: “Ah sim, outro universo alternativo com mecânica de videogame RPG …”.

Ele também destacou que mesmo as comédias românticas e de mistério são capazes de apresentar conceitos pelo menos diferentes: “Nunca falei sobre o gênero literário em geral. Eu estava apenas dizendo que seria bom se você evitasse histórias de isekai sobre um protagonista quebrado que ganha um harém, elas são todas iguais! Na minha opinião, como leitor, a ficção científica e os romances de mistério, e mesmo os romances de comédia romântica, são diferentes para o leitor desfrutar. Eu sei que é pedir muito, mas… as histórias de ‘isekai de protagonista destruída pelo harém’ são o subgênero mais usado no mundo das light novels. Quero quebrar o ciclo vicioso, porque acredito que a indulgência só reforça a mediocridade. Sempre que falo algo assim, tem gente que fala: ‘Nojiri está envelhecendo’. Droga, venho dizendo a mesma coisa há mais de vinte anos! ”

Fonte:Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.