Shingeki no Kyojin – Segundo editor “É bom que haja críticas de genocídio na obra” "Comparado com uma guerra real, onde muita gente morre, e só então as pessoas pensam que “genocídio não é bom”"

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Shingeki no Kyojin
©Shingeki no Kyojin

O portal Gendai Ismedia publicou um artigo no qual ele entrevistou o editor do mangá escrito e ilustrado por Hajime Isayama, Shingeki no Kyojin (Attack on Titan), Shintaro Kawakubo. Uma das perguntas que viralizou foi aquela em que lhe perguntaram o que achava do capítulo final da obra.

“Na quinta edição de 2021 da Revista Bessatsu Shonen, publicada em 9 de abril daquele ano, foi publicado o último capítulo de Shingeki no Kyojin, encerrando a obra. Naquela época, Kawakubo-san se aproximou de Isayama-san e disse: “Acho que foi um último episódio do qual ninguém poderia reclamar”?”, escreveu a pergunta. Kawakubo respondeu: ‘Sim. A intenção é que, antes de tudo, a premissa básica seja que eu ache interessante, mas a palavra não significa que seja o último episódio que alguém achará interessante mostrar. Quando Hajime Isayama começou a série 11 anos e 7 meses atrás, acho que havia histórias e emoções que ele queria representar.’

“Ele começou o mangá porque queria desenhar isso, e acabou desenhando o que queria desenhar, então acho que ninguém tem o direito de reclamar disso, então, nesse sentido, eu disse a ele com as palavras: ‘Acho que é um capítulo terminando do qual ninguém tem o direito de reclamar’. Naquela época, eu só disse essas palavras para ele, então pode não ter sido transmitida corretamente, mas depois que o último capítulo foi lançado, houve críticas e Isayama ficou chateado com isso, então eu disse a ele novamente mais tarde, como eu disse antes, “Você foi capaz de desenhar o que você queria desenhar como você queria desenhar, então eu ficaria chateado se você se arrependesse agora, já que tudo terminou do jeito que você queria. Tudo está bem”.

“Houve também uma outra coisa sobre a qual conversamos, embora também tenha sido em uma data posterior. Isso é algo que o próprio Isayama disse há muito tempo:「Se eu quisesse dizer às pessoas que “as pessoas não devem ser mortas”, não faria sentido dizer diretamente a elas que “as pessoas não devem ser mortas”. Porque os sete bilhões de pessoas no mundo sabem que “as pessoas não devem ser mortas”, e como os assassinatos continuam até hoje, fazer uma advertência verbal é inútil. Se for esse o caso, então as palavras “Não há problema em matar pessoas” podem ter mais peso se você apenas olhar para o resultado, porque há uma chance de que a pessoa que ouve pense “Do que você está falando? A coisa certa a fazer é não matar!” Então, se você tem uma mensagem que deseja transmitir, talvez a coisa certa a fazer seja não desenhá-la exatamente como a sociedade espera”.

“Eu disse que faria algo sobre isso. Acho que estávamos falando sobre isso como algo que não tem nada a ver com Shingeki no Kyojin. Eu me lembro dessa história. Este último capítulo gerou controvérsia, pois alguns o criticaram por ‘apoiar o genocídio’. Claro, eu não queria tolerar o massacre no local, e Isayama-san estava bastante preocupado com isso, mas eu disse a ele: “Isso pode ser uma coisa muito boa. Comparado com uma guerra real, onde muita gente morre, e só então as pessoas pensam que “genocídio não é bom”, quando você lê Shingeki no Kyojin e diz “este é um mangá pró-genocídio” e se sente mal com isso, então a mesma mensagem foi transmitida para você, mas sem a necessidade de ninguém morrer na vida real.”

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.