Um tradutor de mangá para o inglês mudou o termo ‘trap’ para ‘transgênero’ O personagem não se identifica como mulher, apenas se veste como uma

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
koisuru otome no tsukurikata
©koisuru otome no tsukurikata

Koisuru (Otome) no Tsukurikata (I Think I Turned My Childhood Friend Into a Girl) é um mangá escrito e ilustrado por Azusa Banjou que se publica na revista Comic POOL desde fevereiro de 2020. Este mangá conta a história de um rapaz que está apaixonado pelo seu melhor amigo, que é um fanático da maquiagem, e que começa a vestir-se de garota para que o seu amigo possa praticar. Esta é a simplificação mais direta da história do mangá, pelo que o rapaz pode ser definido diretamente como um “otokonoko”, que no Ocidente é mais conhecido como “trap”, ou seja, um rapaz que se veste de garota.

A sinopse completa desta obra descreve:

Kenshirou Midou é um estudante popular que guarda um segredo: apesar de ser um rapaz, sempre adorou a arte da cosmética. Devido aos seus esforços para manter um perfil discreto, apenas as suas irmãs e Hiura Mihate, uma amiga de infância, sabem da sua obsessão oculta. Além dos seus irmãos, Hiura é a única esperança de Kenshirou para a realização do seu potencial.
Kenshirou pede a Hiura que o deixe praticar a maquiagem, e quando Hiura finalmente sucumbe ao seu pedido, a transformação drástica choca Kenshirou. Desde o aparecimento de um rapaz magro e sem graça a uma linda menina pequena, o novo visual de Hiura evoca algo em Kenshirou.
Por outro lado, Hiura já tinha sentimentos por Kenshirou muito antes da sua dramática mudança. Muitas vezes, Hiura olha de lado, e pensa que uma relação romântica com ele está fora do seu alcance. Mas com a revelação do passatempo invulgar de Kenshirou, Hiura continua optimista e decide dedicar-se à paixão de seu amigo. À medida que a sua afeição um pelo outro se intensifica, o par desenvolve lentamente uma ligação inquebrável.

Mas quando este mangá foi licenciada em inglês, o tradutor responsável estabeleceu o rapaz “trap” como um “transgênero”, algo completamente incorrecto com base numa entrevista em que a autora participou com os meios de comunicação da PixiVision, onde comentou:

“Enquanto trabalhava no conceito de um otokonoko que também é um pouco rabugento, tive a ideia de ele começar a vestir-se de forma cruzada não por sua livre vontade, mas para o bem do seu parceiro. A maioria das personagens otokonoko decide vestir-se de forma cruzada só porque gostam das roupas, por isso perguntei-me como é que a Hiura seria recebida. Mas os leitores parecem gostar do fato de ele ter começado a vestir-se de forma cruzada para agradar o seu interesse amoroso.”

O artigo faz mesmo a seguinte observação: “Embora Hiura seja carinhosamente chamado “heroína” em referência ao seu traje, no texto japonês ele identifica-se claramente como homem, mesmo quando veste roupas estereotipadamente femininas. Por esta razão, o pronome “ele” é utilizado neste artigo“.

Considerando que o deuteragonista decide vestir-se de garota para que o seu amigo de infância tenha sentimentos por ele e não porque se identifica como uma, deixa claro que ele não é um personagem “transgênero” como o tradutor inglês queria assegurar. Infelizmente, a já questionável tradutora Katrina Leonoudakis apoiou a alteração deste aspecto da obra:

“Conheço o tradutor e ele fez o seu trabalho de casa sobre esta série, lendo volumes futuros, consultando pessoas trans e trabalhando arduamente para o tornar tão preciso quanto possível. Vergonha para aqueles que escutam um desconhecido e o julgam. Apoio plenamente este tradutor. Sei que tweetar isto vai atrair a máfia do Twitter para mim, mas não faz mal. Podem apontar para a “análise” do primeiro volume como “scan” se quiserem. É claramente o mesmo material “anti-localização” de sempre, apenas adaptado de uma forma diferente”.

No entanto, o Sankaku Complex relatou que o tradutor está bloqueando qualquer pessoa que aponte a inconsistência gritante na sua justificação. Essa inconsistência refere-se à consulta do tradutor com “volumes futuros e outras pessoas trans“, mas onde foi a consulta com o autor do mangá original? Infelizmente, o conceito de “otokonoko” continua a ser desprezado nos meios de comunicação ocidentais, especialmente em inglês, onde aparentemente não querem admitir a existência de “rapazes que se vestem de garotas, mas não se identificam como tal”.

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.