Atsushi Ito: ‘Estamos no pior momento da história quando se trata de pirataria de mangá’ Quando se derruba um, vários outros aparecem...

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Mangá
©One Piece

O portal japonês Yahoo! News Japan publicou um artigo onde Atsushi Ito, que dirige contra-medidas contra a pirataria na editora Shueisha, comentou que o problema está atualmente em um nível incontrolável, mas eles ainda não podem desistir fechando site após site.

“Uma pesquisa realizada por um grupo de editoras e outras organizações revelou os danos causados ​​por sites de pirataria que publicam ilegalmente reproduções de mangás populares. O número de acessos nesses sites é muito maior do que quando o popular site da Manga Village estava no auge e foi fechado há dois anos. O que está acontecendo?”

“Parece não haver solução possível para esta situação, mas temos de continuar a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance. Se desistirmos, perderemos completamente”, explicou Atsushi Ito, responsável pelas medidas antipirataria da editora Shueisha.”

Cada vez que um mangá Shueisha é postado em um site de pirataria, o trabalho deles é enviar solicitações ao site para removê-lo. Com a ajuda das empresas de revisão, a Shueisha detectou inúmeros sites de pirataria, e eles os identificam facilmente por meio dos grupos de endereços onde os mangás são publicados.

“Num mês normal, enviamos cerca de 120.000 destes pedidos a vários sites de pirataria e aos seus operadores de servidor, exigindo que retirem o material que infringe os direitos de autor. O número de processos aumentou para dez por ano”, comentou Ito. “No início era só eu quem mandava as mensagens, mas tive tendinite de tanto que as escrevi”, narrou.

“Estamos no pior momento da história no que diz respeito à pirataria. Isso é pior do que quando o Manga Village estava no auge”, explicou. “Mangamura já foi o maior site de pirataria, com mais de 100 milhões de acessos por mês de acordo com a ABJ. A legibilidade nas telas dos smartphones foi considerada sua qualidade mais atraente”, disse ele.

“O Mangamura, que desencadeou um problema social contra a pirataria, foi fechado em abril de 2018. Junto com ele, inúmeros outros sites que exibiam seu conteúdo também caíram, e os danos diminuíram temporariamente. No entanto, começou novamente no outono do mesmo ano. Ito destacou: “Esses sites são tão fáceis de criar que aparecem um após o outro sem parar.”

A ABJ confirmou que o número de sites de hacking relevantes é de cerca de 750 só no Japão, com os dez primeiros acumulando mais de 240 milhões de acessos por mês, muito mais do que sites que foram encerrados no passado. Ito concluiu que o confinamento devido à pandemia de COVID-19 tornou-se um fator que favoreceu em demasia o consumo de conteúdo ilegal.

Fonte:Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments