Steam x Eroges: Banimentos na plataforma causam polêmica Eroges e Galges disponíveis na Steam foram ameaçados de banimento por apresentar conteúdo adulto, mesmo que feito pela comunidade.

João Villaça
(Redator de Notícias)
Hunie Pop
©Huniepop/HuniePot

Recentemente a postura que a Valve adotou em relação aos jogos de conteúdo adulto em sua plataforma Steam trouxe uma nova polêmica à tona. Aparentemente diversos jogos que oferecem algum tipo de conteúdo adulto estão na fila para serem banidos da plataforma. Evidentemente diversos jogos como Galges e Eroges foram alguns dos principais alvos da nova política family-friendly.

O problema criou uma discussão ainda maior, acerca dessa postura já que a maior parte dos jogos que estão na iminência dos banimentos não são distribuídos com conteúdo adulto em sua versão final (Vanilla), mas este tipo de conteúdo é trazido e implementado pela própria comunidade graças à rede Steam Workshop, que permite que modificadores sejam criados para quase qualquer jogo. Mesmo assim, a condição deixada pela Valve foi clara: a menos que todo o conteúdo adulto destes jogos fosse erradicado, seja ele um mod ou não, eles seriam ostracizados de vez da plataforma.

O caso foi, em pouco tempo, exposto ao público consumidor destes jogos através de tweets dos desenvolvedores ameaçados. Alguns jogos famosos foram intimidados, entre eles os hits HuniePop, Nekopara e Mutiny!!. Visuais novels também fazem parte da população de jogos ameaçada. A desenvolvedora de HuniePop relata que a Valve ameaçou banir o jogo da Steam:

huniepop
©HuniePop@Twitter

A desenvolvedora NekoWorks também recebeu o mesmo aviso em relação aos seus jogos Nekopara e Tropical Liquor:

Nekopara
©NekoWorks@Twitter

Os jogos mais afetados são os Eroges

O que amplificou a polêmica em cima do negócio todo foi o seguinte fato: a nova política atingiu em massa os jogos de otakus, que em sua maioria nem são distribuídos com o conteúdo explícito na versão original. Comparado a alguns sucessos gigantes da plataforma, é fácil ver que a nova política da Valve é parcial. Grandes sucessos que são produzidos com conteúdo explícito não passaram pela mesma dificuldade, como GTA V e The Witcher. Já nossos queridinhos Eroges não estão tendo a mesma moleza.

Em outubro de 2017, a Steam já estava barrando estúdios de divulgarem os mods +18. O estúdio Dharker costumava produzir esses mods e divulgá-los (com links) nas sessões de reviews dos próprios jogos, porém passaram a ser impedidos de fazer esse marketing. A lista de desenvolvedores desse tipo de conteúdo que estão sendo ameaçados não é curta:  Winged CloudTop Hat StudiosWinter Wolves GamesSekai ProjectMangaGamer e outros. O jogo Sadist Sakura teve seu lançamento adiado pela mesma causa:

Sadist Sakura
©Sadist Sakura

O Youtuber Lost Pause comentou a polêmica em um vídeo seu:

Fonte (+18): Aqui!

 

 

 

 

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  • Ronanfalcon

    Olha, eu adoro a Steam, sou um jogador de PC fazem anos, e o que ela fez por essa plataforma foi algo incrível, quando analisamos todo o aspecto da indústria de jogos desde sempre.
    É verdade que toda empresa tem direito de ter suas políticas, mas isso não impede ninguém, especialmente consumidores, de questionarmos tais políticas.
    Aqui temos dois claros pontos onde a Valve está cometendo erros para com seu consumidor (de tabela, com os desenvolvedores).
    O primeiro, e mais claro, é que ela decida censurar ao invés de regulamentar. Nesse quesito, existe o consumidor óbvio, o adulto, que quer ter acesso à estes conteúdos, e nenhum deles (racional, eu presumo), vai se incomodar se o jogo possuir classificações, filtros e fins, dentro da plataforma, os quais farão com o usuário não tenha fácil acesso a eles, para minimizar o impacto em menores. Quem quer corre atrás, é simples, e tal qual já vale pra qualquer produto, adultos sabem onde procurar quando querem. Esse é um problema sério, mas até o momento não parecia ter uma relevância, uma vez que ela permitia os mods.
    Agora, temos o segundo ponto, e este aqui é ainda mais crítico. Segundo tenho percebido nas várias notícias sobre isso, a política da Valve está parcial, ela está privilegiando coisas como as citadas no texto, The Witcher e GTA V, e eu quero adicionar mais um, que é motivo de piada inclusive, o Conan Exiles, onde o “órgão genital masculino” é detalhadamente mostrado, e não me parece que isso tenha alarmado a Valve tanto quanto Eroges. Nesse quesito eu assumo que estou muito desapontado com a Valve, muito mesmo. Ser parcial com uma coisa dessas, além de ser ridículo por si só, ainda prejudica muito a visão das empresas do Japão em distribuírem seus jogos na steam, coisa que, nós que jogamos no pc, já sofremos há anos (cabe ressaltar que os japas é que não licenciam muita coisa pra steam), e uma coisa como essa piora ainda mais a noção deles para com ela, desestimulando o pouco avanço que temos nesse campo.
    Aqui nos encontramos com um grave problema: a steam é que tem a grande base dos jogos, e ela nos faz de refém de sua vontade quando faz coisas assim, pois é muito complicado parar de utilizar a plataforma, especialmente porque mesmo lojas externas (como G2A) vendem chaves para a steam.
    Nesse sentido só posso esperar que ela mude isso, ou que empresas externas passem a vender chaves para o Gog tbm, que é o concorrente mais interessante da Steam no momento (EA, Ubisoft e Blizzard desconsidero por conta de não distribuírem ou terem restrições com a steam).