Japão quer regularizar a cultura cosplay A atividade ajudaria a espalhar a cultura japonesa pelo mundo

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf

 

 

© Japão/cosplay

O governo do Japão começou a desenvolver regras para evitar questões de direitos autorais na cultura cosplay, que está se tornando cada vez mais popular no exterior.

A possível regularização da cultura cosplay se tornaria um pilar da estratégia de vender a cultura japonesa ao exterior e apoiar seu desenvolvimento. A animação japonesa tem muitos fãs ao redor do mundo e, consequentemente, o número de eventos de cosplay também tem aumentado. Nesse caso, se o cosplay não tiver fins lucrativos, não é uma violação de direitos autorais.

No entanto, se o usuário publicar fotos em redes sociais como o Instagram ou receber prêmios em eventos ou plataformas de apoio financeiro, existe a possibilidade de que isso seja considerado uma violação de direitos autorais. A informação foi afirmada por Shinji Inoue, Ministro do Consumidor e Segurança Alimentar, Política Científica e Tecnológica e da iniciativa “CoolJapan”, durante uma conferência de imprensa no final do ano passado. “Cosplay se espalhou como uma cultura. Precisamos divulgar as ideias do nosso país ”, comentou. Por esse motivo, o governo já começou a ouvir as opiniões de funcionários e da popular cosplayer profissional Enako, que foi embaixadora da iniciativa CoolJapan (ク ー ル ジ ャ パ ン), um termo de marketing adotado pelo Japão que busca explorar aspectos da indústria cultural do país que são considerados “cool”(legais).

Em suma, o governo está procurando maneiras de proteger os direitos autorais sem sobrecarregar a cultura do cosplay, porque se a lei for aplicada com muita rigidez, isso pode acabar afetando a disseminação dessa cultura. Em particular, cosplayers interessados ​​e o público em geral teriam muitos problemas para contatar as pessoas certas para obter licenças, devido à falta de contato entre as duas partes.

Portanto, nenhuma mudança legislativa é esperada neste momento e um plano de conscientização está sendo desenvolvido primeiro para resolver os casos em que é necessário aplicar taxas de direitos de usuário. “Precisamos de um mecanismo que ambas as partes possam usar com confiança“, disse Taro Yamada, secretário-geral adjunto do Grupo de Estudos de Estratégia de Propriedade Intelectual, e sugere o desenvolvimento de um banco de dados que facilite a localização dos detentores de direitos autorais no futuro.

Fonte:Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments