Um oponente da censura de material adulto concorrerá ao Congresso no Japão O candidato é procurado pela polícia

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Japão
©Anime

Riyo Takahashi, atual diretor do FC2, um popular serviço de hospedagem de vídeo japonês, o terceiro serviço de hospedagem mais popular no Japão (depois do YouTube e Niconico), e uma empresa de hospedagem na Holanda; publicou um vídeo anunciando que participará das eleições para a Câmara dos Conselheiros do Japão, que ocorrerão em 25 de julho.

Essas eleições elegerão 124 dos 245 membros da referida Câmara por um período de seis anos. Takahashi concorrerá à eleição como um dos candidatos do Partido NHK, fundado em junho de 2013 por Takashi Tachibana, ex-funcionário da NHK, emissora pública do país. A ideologia do partido se concentra em criticar o cânone da televisão NHK e a manipulação do governo da estação de rádio para a opinião pública, mas Takahashi também teria outros planos em mente.

Embora o vídeo não se refira explicitamente ao artigo 175 do Código Penal, o fato de falar sobre o crime de exibição de mídia audiovisual para adultos e se comprometer a abolir os mosaicos audiovisuais sugere que é de fato um compromisso de abordar o artigo polêmico e obsoleto.

Os irmãos Takahiro e Riyo Takahashi lançaram o serviço FC2 em 1999 e desenvolveram serviços de Internet, como páginas da Web e sites de compartilhamento de vídeo. Os serviços de streaming e vídeo da empresa foram expostos pela polícia em vários casos, e Takahiro acabou sendo preso em 2015. Aliás, o próprio Riyo também é muito procurado e provavelmente será preso se tentar entrar no Japão.

Riyo Takahashi explicou: ‘Estou em uma situação em que a polícia está me procurando. Eu nunca roubei um único pedaço de doce e sou totalmente falsamente acusado. Se eu tivesse cometido um crime óbvio, como machucar alguém, eu pegaria, mas não quero ficar preso por anos com uma acusação falsa’, acrescentando que decidiu se candidatar porque quer ver sua mãe novamente. De fato, quando seu pai faleceu no ano passado, ele não pôde comparecer ao funeral por causa do risco de ser preso.

Ele concluiu: “Tenho um forte desejo de ser mais próximo com minha mãe, que mora no Japão, e morar com ela. Eu não acho que posso ganhar uma eleição, e mesmo se eu ganhasse, eu não acho que eles não vão me impedir, por causa da jurisdição que dá imunidade aos parlamentares. No entanto, mesmo que ele tenha permanecido em silêncio, nada mudou nos menos de nove anos desde a investigação. Eu queria apelar à opinião pública sobre o absurdo e a irracionalidade do mundo e fazer a menor mudança, e meus colaboradores me empurraram para concorrer às eleições.”

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.