Hiroshima desiste da reforma no porto que inspirou o filme Ponyo A decisão pôs fim a uma ação judicial de nove anos sobre o assunto.

Vitor Nascimento
(Podcaster)
@ifusic

O Governo da Província de Hiroshima anunciou nesta segunda-feira que irá formalmente desistir do plano de reforma de terras de Tomonoura, localidade à beira-mar que inspirou o filme Ponyo do Studio Ghibli. A decisão pôs fim a uma ação judicial de nove anos sobre o assunto.

© Tomonoura / Prefeitura de Hiroshima
© Tomonoura / Prefeitura de Hiroshima

O governo de Fukuyama e a Prefeitura de Hiroshima haviam elaborado um plano em 1983 para melhorar a drenagem e reduzir o congestionamento do tráfego através da construção de uma ponte sobre o lado do mais distante do porto do mar. Cerca de dois hectares seriam reformados para erguer a ponte de 180 metros. Fukuyama e a Prefeitura de Hiroshima pediram a aprovação do aterro sanitário em Maio de 2007.

Alguns moradores locais se mostraram contra o projeto, pois acreditavam que isso destruiria a paisagem marinha histórica na costa do Mar Interior do Japão. Os cidadãos entraram com uma ação em abril de 2007 para pedir que o governador da província recusasse a emissão da licença de reforma para iniciar o projeto. O Tribunal Distrital de Hiroshima ficou a favor dos cidadãos em 2009, apesar do processo ainda estar em andamento.

Governador de Hiroshima Hidehiko Yuzaki, que chegou ao poder em 2009, havia anunciado em 2012 que planejava abandonar o projeto de recuperação, mas ainda não tinha retirado o pedido de licença devido à continuação conflito com os defensores do projeto.

O diretor Hayao Miyazaki declarou em uma conferência de imprensa após a decisão: “Um grande passo foi dado em um momento em que devemos questionar o que será do Japão“, e acrescentou: “Acho que o tribunal pontuou bem o que faltava ter pensado e cuidado tanto na preparação e quanto no planejamento do projeto.

FONTE: Aqui

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.