Cancelam um mangá no Japão devido a protestos de uma organização religiosa “Está se tornando um tabu lidar com religião”

Ana
(Supervisora da redação)
@anapnf
Kami-sama' no Iru Ie de Sodachimashita: Shuukyou 2-sei na Watashi-tachi
©Kami-sama’ no Iru Ie de Sodachimashita: Shuukyou 2-sei na Watashi-tachi

A revista Weekly Flash informou que a editora Shueisha cancelou o mangá escrito e ilustrado por Mariko Kikuchi,Kami-sama’ no Iru Ie de Sodachimashita: Shuukyou 2-sei na Watashi-tachi, após receber críticas da organização religiosa Happy Science (Koufuku no Kagaku). A sinopse da obra é assim descrita:

“As crianças nascidas em famílias religiosas não podem escolher sua fé e são forçadas a viver sob os ensinamentos religiosos de seus pais. Estilos de vida únicos são formados com base em diferentes princípios religiosos, no efeito da fé na relação entre pais e filhos e nos conflitos que surgem da vida em uma congregação. A série mostra os filhos de famílias religiosas, como cresceram e superaram dificuldades para seguir seu caminho na vida. As histórias foram reconstruídas a partir das experiências da própria autora e das pessoas que ela entrevistou. Mas todos os nomes são alterados para pseudônimos.”

O mangá foi lançado no serviço digital Yomitai em 22 de setembro e publicou o quinto capítulo em 26 de janeiro. O departamento editorial então retirou o capítulo em 10 de fevereiro, pedindo desculpas por ‘ofender uma religião ou grupo de crentes em particular’. Os editores declararam em 17 de março que os capítulos restantes seriam retirados devido a ‘verificação de fatos insuficiente‘, embora as declarações não mencionassem a Happy Science.

A autora Mariko Kikuchi disse ao jornal Weekly Flash que seu editor inicialmente lhe disse para mudar as fotos do altar e da instituição no quinto capítulo. No entanto, ela foi subitamente informada de que deveria revisar todo o mangá. Ela também foi informada de que entrevistar apenas uma pessoa era pesquisa insuficiente, mas ela não recebeu uma resposta quando perguntou quantos entrevistados eram suficientes. Ela disse que se recusou a editar o mangá e pediu que a serialização fosse encerrada, percebendo as edições como um meio de suprimir as vozes daqueles que deixaram grupos religiosos.

Kikuchi argumentou que o mangá não pretendia ser uma crítica aos grupos, mas sim uma representação de uma história de vida pessoal. “Desse ponto de vista, acho que seria estranho mostrar consideração excessiva em relação a grupos religiosos. Até a Shueisha entendeu que eles estavam dizendo algo irracional, mas acho que eles foram longe demais para recuar agora.”

Kikuchi mencionou que não tinha permissão para dizer o nome da organização que protestava ou o conteúdo de suas críticas. De acordo com o pesquisador do grupo religioso Yoshirou Fujikura, a situação lembra as táticas de pressão da Happy Science, que tiveram um efeito perturbador na mídia japonesa nos últimos anos. “Se olharmos para os últimos 1-2 anos, mesmo quando houve escândalos envolvendo grupos religiosos, seus nomes não são relatados. Muitos meios de comunicação relataram o caso de Kikuchi, mas nenhum mencionou a Happy Science pelo nome‘, comentou o pesquisador.

O departamento de relações públicas da organização religiosa Happy Science disse ao Weekly Flash que eles estão cientes do mangá de Kikuchi, mas afirmam que a Shueisha tomou suas decisões de forma independente. “O mangá de Kikuchi contém inúmeras imprecisões e um retrato injusto e negativo da fé e seus ensinamentos. Ele também confunde a questão das crianças que buscam a independência de seus pais com a questão da fé religiosa. Quanto à decisão de retirá-lo, acreditamos que a Shueisha chegou a essa conclusão por meio de discussão independente“, afirmaram.

Kikuchi acredita que o incidente é uma preocupação para a liberdade artística. “Está se tornando um tabu lidar com religião”, alertou. “Sou fortemente contra alterar uma história baseada no que um grupo religioso dita. Se se tornou tão inadmissível representar a religião como um tópico, então a liberdade de expressão já foi corroída a tal ponto que existe apenas no nome”, continuou ela. Mais tarde, ela esclareceu no Twitter que é grata ao departamento editorial por protegê-la, embora deseje que eles protejam o mangá também.

Fonte: Aqui!

SUA OPINIÃO É IMPORTANTE. COMENTE AQUI!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião
deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.